Raúl Alarcón ganha a segunda Volta consecutiva

Vicente de Mateos ganha contra-relógio e iguala número de triunfos em etapas na Volta a Portugal do grande vencedor, Raúl Alarcón, 3.º na última etapa

No contra-relógio final da 80.ª Volta a Portugal, 17,3km em Fafe, João Rodrigues (W52-FC Porto) marcou (25m38s) o andamento. Longe do vencedor Vicente de Mateos (Aviludo-Louletano), que fez 25m17s. Raúl Alarcón conseguiu o terceiro tempo, com 25m51s, o suficiente para levar a camisola amarela para casa.

Alarcón ganhou a segunda Volta consecutiva, dando provas ao longo das dez etapas que foi o mais forte do pelotão. Ganhou três etapas, tantas como De Mateos.

Os tempos começaram verdadeiramente a contar com o desempenho de Rafael Reis (Caja Rural-Seguros RGA). O primeiro camisola amarela da Volta 2018 foi o primeiro a baixar dos 27 minutos (26m58s). Mas não muito depois, chegava à meta Gustavo Veloso, vencedor da Volta em 2014 e 2015, e que quase baixava dos 26 minutos (26m10s). O colega de equipa na W52-FC Porto, António Carvalho, ficou perto (26m23s). E mais perto ainda ficou o bicampeão de contra-relógio e campeão nacional de estrada, Domingos Gonçalves (RP-Boavista), com 26m13s.

Num contra-relógio individual entre companheiros de equipa, já na parte final, Ricardo Mestre superou o tempo de Veloso: 26m07s. E João Rodrigues elevou a fasquia e baixou dos 26 minutos (25m38s). Longe do vencedor Vicente de Mateos (25m17s) mas melhor, até, de Joni Brandão, que se defendeu do andamento do espanhol (fechou o pódio da Volta) e segurou o 2.º lugar com 25m53s.

Nesse minuto, conseguiram chegar ainda Óscar Rodríguez (Euskadi Basque Country-Murias), com 26m40s, Krister Hagen (Team Coop), com 26m50s, Sérgio Paulinho (Efapel), com 26m51s

A W52-FC Porto venceu as últimas seis edições da Volta a Portugal e tem no seu plantel quatro atuais e antigos vencedores -- Alarcón (2017 e 2018), Veloso (2014 e 2015), Rui Vinhas (2016) e Ricardo Mestre (2011, na altura Tavira-Prio). O único fora do plantel da União Ciclista do Sobrado (clube por detrás da equipa) é Alejandro Marque (ganhou em 2013), que se mudou para o Sporting-Tavira.

Além da camisola amarela, Raúl Alarcón conquistou o estatuto de rei da montanha e vai levar para casa a camisola azul Liberty Seguros. Na classificação da regularidade (Pontos, Rubis), a camisola verde foi ganha Vicente De Mateos. Estes foram os grandes senhores da prova: ganharam três etapas cada um, seis das dez. A camisola branca para o melhor jovem ficou para Xuban Errazkin (Vito-Feirense-Blackjack).

Classificações

- Classificação da 10.ª etapa:

1. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), 25.17 minutos

(média 41,055 km/hora)

2. João Rodrigues, Por (W52-FC Porto), a 21 segundos

3. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), a 34

4. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), a 36

5. Ricardo Mestre, Por (W52-FC Porto), a 50

6. Edgar Pinto, Por (Vito-Feirense-Blackjack), a 51

7. Gustavo Veloso, Esp (W52-FC Porto), a 53

8. Domingos Gonçalves, Por (Rádio Popular-Boavista), a 57

9. António Carvalho, Por (W52-FC Porto), a 1.06 minutos

10. Óscar Rodríguez, Esp (Euskadi-Murias), a 1.23

- Classificação geral final:

1. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 41:15.32 horas

2. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), a 1.03 minutos

3. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), a 1.14

4. Edgar Pinto, Por (Vito-Feirense-Blackjack), a 2.20

5. Frederico Figueiredo, Por (Sporting-Tavira), a 4.09

6. João Benta, Por (Rádio Popular-Boavista), a 4.19

7. João Rodrigues, Por (W52-FC Porto), 5.27

8. Ricardo Mestre, Por (W52-FC Porto), 6.35

9. Domingos Gonçalves, Por (Rádio Popular-Boavista), a 6.36

10. Henrique Casimiro, Por (Efapel), a 6.49

- Classificação geral por equipas:

1. W52-FC Porto, Por, 123:57.57 horas

2. Sporting-Tavira, Por, a 1.34 minutos

3. Rádio Popular-Boavista, Por, a 6.11 minutos

- Classificação da juventude:

1. Xuban Errazkin, Esp (Vito-Feirense-Blackjack).

2. Oscar Rodríguez, Esp (Euskadi-Murias)

3. Gonçalo Carvalho, Por (Miranda-Mortágua)

- Classificação por pontos:

1. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), 155 pontos

2. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 115

3. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), 94

- Classificação montanha:

1. Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto), 62 pontos

2. Jóni Brandão, Por (Sporting-Tavira), 58

3. David Rodrigues, Por (Rádio Popular-Boavista), 40

Lista de vencedores

Ano Vencedor Equipa

2018 Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto)

2017 Raúl Alarcón, Esp (W52-FC Porto)

2016 Rui Vinhas, Por (W52-FC Porto)

2015 Gustavo Veloso, Esp (W52-Quinta da Lixa, Por)

2014 Gustavo Veloso, Esp (OFM-Quinta da Lixa, Por)

2013 Alejandro Marque, Esp (OFM-Quinta da Lixa, Por)

2012 David Blanco, Esp (Efapel-Glassdrive, Por)

2011 Ricardo Mestre, Por (Tavira-Prio, Por)

2010 David Blanco, Esp (Palmeiras Resort-Prio, Por)

2009 David Blanco, Esp (Palmeiras Resort-Prio, Por)

2008 David Blanco, Esp (Palmeiras Resort-Tavira, Por)

2007 Xavier Tondo, Esp (LA-MSS, Por)

2006 David Blanco, Esp (Comunitat Valenciana, Esp)

2005 Vladimir Efimkin, Rus (Barloworld, GB)

2004 David Bernabéu, Esp (Milaneza-Maia, Por)

2003 Nuno Ribeiro, Por (LA-Pecol, Por)

2002 Claus Moller, Din (Milaneza-MSS, Por)

2001 Fabian Jeker, Sui (Milaneza-MSS, Por)

2000 Vítor Gamito, Por (Porta da Ravessa, Por)

1999 David Plaza, Esp (Benfica, Por)

1998 Marco Serpellini, Ita (Brescialat-Liquigas, Ita)

1997 Zenon Jaskula, Pol (Mapei, Ita)

1996 Massimiliano Lelli, Ita (Saeco, Ita)

1995 Orlando Rodrigues, Por (Artiach, Esp)

1994 Orlando Rodrigues, Por (Artiach, Esp)

1993 Joaquim Gomes, Por (Recer-Boavista, Por)

1992 Cássio Freitas, Bra (Recer-Boavista, Por)

1991 Jorge Silva, Por (Sicasal-Acral, Por)

1990 Fernando Carvalho, Por (Ruqita-Feirense, Por)

1989 Joaquim Gomes, Por (Sicasal-Torreense, Por)

1988 Cayn Theakston, Ing (Louletano-Vale de Lobo, Por)

1987 Manuel Cunha, Por (Sicasal-Torreense, Por)

1986 Marco Chagas, Por (Sporting, Por)

1985 Marco Chagas, Por (Sporting, Por)

1984 Venceslau Fernandes, Por (Ajacto, Por)

1983 Marco Chagas, Por (FC Porto, Por)

1982 Marco Chagas, Por (FC Porto, Por)

1981 Manuel Zeferino, Por (FC Porto, Por)

1980 Francisco Miranda, Por (Lousa, Por)

1979 Joaquim Santos, Por (FC Porto, Por)

1978 Belmiro Silva, Por (Coimbrões-Arbo, Por)

1977 Adelino Teixeira, Por (Lousa, Por)

1976 Firmino Bernardino, Por (Benfica, Por)

(...)

1974 Fernando Mendes, Por (Benfica, Por)

1973 Jesus Manzaneque, Esp (Caves Messias, Por)

1972 Joaquim Agostinho, Por (Sporting, Por)

1971 Joaquim Agostinho, Por (Sporting, Por)

1970 Joaquim Agostinho, Por (Sporting, Por)

1969 Joaquim Andrade, Por (Sangalhos, Por)

1968 Américo Silva, Por (Benfica, Por)

1967 Tony Houbrechts, Bel (Flandria, Bel)

1966 Francisco Valada, Por (Benfica, Por)

1965 João Peixoto Alves, Por (Benfica, Por)

1964 Joaquim Leão, Por (FC Porto, Por)

1963 João Roque, Por (Sporting, Por)

1962 José Pacheco, Por (FC Porto, Por)

1961 Mário Silva, Por (FC Porto, Por)

1960 José Sousa Cardoso, Por (FC Porto, Por)

1959 Carlos Carvalho, Por (FC Porto, Por)

1958 Alves Barbosa, Por (Sangalhos, Por)

1957 Ribeiro da Silva, Por (Académico Porto, Por)

1956 Alves Barbosa, Por (Sangalhos, Por)

1955 Ribeiro da Silva, Por (Académico Porto, Por)

(...)

1952 Moreira de Sá, Por (FC Porto, Por)

1951 Alves Barbosa, Por (Sangalhos, Por)

1950 António Dias dos Santos, Por (FC Porto, Por)

1949 António Dias dos Santos, Por (FC Porto, Por)

1948 Fernando Moreira, Por (FC Porto, Por)

1947 José Martins, Por (Benfica, Por)

1946 José Martins, Por (Iluminante, Por)

(...)

1941 Francisco Inácio, Por (Sporting, Por)

1940 José Albuquerque, Por (Sporting, Por)

1939 Joaquim Fernandes, Por (CUF, Por)

1938 José Albuquerque, Por (Campo Ourique, Por)

(...)

1935 César Luís, Por (Leões Alentejanos, Por)

1934 José Maria Nicolau, Por (Benfica, Por)

1933 Alfredo Trindade, Por (Rio de Janeiro, Por)

1932 Alfredo Trindade, Por (Rio de Janeiro, Por)

1931 José Maria Nicolau, Por (Benfica, Por)

(...)

1927 Augusto Carvalho, Por (Carcavelos, Por)

- Ranking de vitórias:

1. David Blanco, Esp 5 (2005, 08, 09, 10, 12)

2. Marco Chagas, Por 4 (1982, 83, 85, 86)

3. Alves Barbosa, Por 3 (1951, 56, 58)

. Joaquim Agostinho, Por 3 (1970, 71, 72)

5. Alfredo Trindade, Por 2 (1932, 33)

. José Maria Nicolau, Por 2 (1931, 34)

. José Albuquerque, Por 2 (1938, 40)

. José Martins, Por 2 (1946, 47)

. António Dias dos Santos, Por 2 (1949, 50)

. Ribeiro da Silva, Por 2 (1955, 57)

. Joaquim Gomes, Por 2 (1989, 93)

. Orlando Rodrigues, Por 2 (1994, 95)

. Gustavo Veloso, Esp 2 (2013, 2014)

. Raúl Alarcón, Esp 2 (2017, 2018)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.