Râguebi: Lobitos continuam a surpreender e batem Canadá

Depois de se terem sagrado bicampeões europeus neste ano frente à Espanha, os sub-20 nacionais continuam a fazer das suas. Nesta tarde venceram o Canadá, por 31-29, no arranque do World Trophy, o Mundial B do escalão, que se disputa em Bucareste.

Depois de ter sido finalista vencida, diante do Japão, no ano passado, em Montevideu, a seleção treinada por Luís Pissarra e António Aguilar está na capital romena de novo como representante do continente europeu no World Rugby U20 Trophy, também conhecido por Mundial B, e que apura o vencedor para o Mundial A do próximo ano, onde militam os principais quinzes deste escalão etário.

E logo na jornada inaugural voltou a causar surpresa ao derrotar a teoricamente mais forte seleção do Canadá, por difíceis, mas justos, 31-29.

O encontro começou equilibrado e nos primeiros 20 minutos o resultado refletia essa mesma igualdade, com ambos os quinzes a converter duas penalidades (por Portugal chutou o abertura João Lima) para 6-6 no marcador.

Mas o maior peso da avançada canadiana acabaria por ditar lei um pouco mais tarde através de um ensaio num imparável maul dinâmico, colocando o Canadá na frente (13-6). E logo a seguir o chutador Percillier alargava para 16-6.

Mas estes jovens e aguerridos Lobitos são de "antes quebrar do que torcer", como ficou amplamente demonstrado em 2017 e já de novo em abril passado na final ganha por 25-3 diante da Espanha no Europeu de Coimbra. E no seu ADN - quaisquer que sejam os atletas convocados, já se percebeu -, para lá de se encontrar inscrita uma defesa tenaz, estão também incluídas ambição, agressividade e uma atitude guerreira que não pode deixar de nos orgulhar... e espantar face a tantos outros exemplos.

E tal ficou bem exemplificado nas opções corajosas do capitão Fezas Vital numa sucessão de faltas adversárias a beneficiar Portugal, em que a mais fácil escolha - chutar aos postes para óbvios três pontos - foi substituída por uma série de alinhamentos ou mesmo mêlées, sempre em mira do ensaio. E tal viria a dar amplos dividendos aos 33" com o talonador Nuno Mascarenhas (Cascais) a entrar em força obtendo belo ensaio que reduzia para 11-16.

Mas novo comboio em maul dinâmico - arma preferida quase em exclusividade pelos "ferroviários" canadianos para causar mossa à seleção nacional - permitiria aos 37" nova penalidade de Percillier e no derradeiro lance da primeira parte, após um alinhamento daria mesmo o segundo ensaio dos norte-americanos, para 26-11 ao intervalo. Resultado injusto mas facilmente explicado pela força bruta de um pack canadiano atuando tipo CP.

Mas só quem não conhece estes sub-20 portugueses poderia pensar que as coisas, apesar do défice de 15 pontos, já estavam resolvidas. E o recomeço dos Lobitos foi de encher o olho... e deixar canadianos à beira de marcar consulta num psiquiatra.

Em apenas três minutos - primeiro numa fantástica arrancada do ponta Rodrigo Marta (Belenenses) penalizada com ensaio de penalidade por placagem ao pescoço, e depois numa mêlée a cinco metros conquistada facilmente e que criou uma plataforma para o entrado formação Martim Cardoso abrir para o lado fechado onde surgiu de novo Marta a faturar em voo picado - reduzia-se o avanço adversário para apenas um singelo ponto: 26-25. E tudo ficava, afinal, em aberto.

A partir daí o Canadá tomou conta do jogo por largos minutos, mas a defesa portuguesa, acantonada no seu meio-campo, não abriu uma brecha sequer perante a sucessão de ataques que embatiam no muro nacional. E aos 65" uma falta daria mesmo a reviravolta a Portugal num belíssimo pontapé do entrado Jerónimo Portela (perante certamente o olhar orgulhoso do papá Miguel, um dos magníficos Lobos do saudoso Mundial de 2007 e um dos mais fantásticos atletas que já serviram as cores nacionais na modalidade).

Uma falta para cada lado ia mantendo os Lobitos na frente por 31-29 a dez minutos do fim. E se a sorte protegia os audazes portugueses numa fácil penalidade desperdiçada por Percillier, também seria madrasta num pontapé longuíssimo chutado por Jerónimo e que esbarrou no poste!

E o jogo terminaria mesmo com os Lobitos acampados na área adversária à procura de novo ensaio numa demonstração de que, como o selecionador Luís Pissarra revelou ao DN antes da partida para Bucareste, esta colheita 2018 dos sub-20, mesmo se formada por atletas com menor experiência internacional, é composta por "cavalinhos jovens e fogosos a quem por vezes é preciso puxar as rédeas, mas que trazem faísca e chama ao jogo". Hoje, foi o Canadá quem se queimou...

Na outra partida do grupo, as Fiji bateram facilmente o Uruguai, por 55-24. E serão precisamente os fijianos os adversários dos Lobitos na próxima ronda a disputar no sábado (17.00 portuguesas).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.