Râguebi: Lobitos continuam a surpreender e batem Canadá

Depois de se terem sagrado bicampeões europeus neste ano frente à Espanha, os sub-20 nacionais continuam a fazer das suas. Nesta tarde venceram o Canadá, por 31-29, no arranque do World Trophy, o Mundial B do escalão, que se disputa em Bucareste.

Depois de ter sido finalista vencida, diante do Japão, no ano passado, em Montevideu, a seleção treinada por Luís Pissarra e António Aguilar está na capital romena de novo como representante do continente europeu no World Rugby U20 Trophy, também conhecido por Mundial B, e que apura o vencedor para o Mundial A do próximo ano, onde militam os principais quinzes deste escalão etário.

E logo na jornada inaugural voltou a causar surpresa ao derrotar a teoricamente mais forte seleção do Canadá, por difíceis, mas justos, 31-29.

O encontro começou equilibrado e nos primeiros 20 minutos o resultado refletia essa mesma igualdade, com ambos os quinzes a converter duas penalidades (por Portugal chutou o abertura João Lima) para 6-6 no marcador.

Mas o maior peso da avançada canadiana acabaria por ditar lei um pouco mais tarde através de um ensaio num imparável maul dinâmico, colocando o Canadá na frente (13-6). E logo a seguir o chutador Percillier alargava para 16-6.

Mas estes jovens e aguerridos Lobitos são de "antes quebrar do que torcer", como ficou amplamente demonstrado em 2017 e já de novo em abril passado na final ganha por 25-3 diante da Espanha no Europeu de Coimbra. E no seu ADN - quaisquer que sejam os atletas convocados, já se percebeu -, para lá de se encontrar inscrita uma defesa tenaz, estão também incluídas ambição, agressividade e uma atitude guerreira que não pode deixar de nos orgulhar... e espantar face a tantos outros exemplos.

E tal ficou bem exemplificado nas opções corajosas do capitão Fezas Vital numa sucessão de faltas adversárias a beneficiar Portugal, em que a mais fácil escolha - chutar aos postes para óbvios três pontos - foi substituída por uma série de alinhamentos ou mesmo mêlées, sempre em mira do ensaio. E tal viria a dar amplos dividendos aos 33" com o talonador Nuno Mascarenhas (Cascais) a entrar em força obtendo belo ensaio que reduzia para 11-16.

Mas novo comboio em maul dinâmico - arma preferida quase em exclusividade pelos "ferroviários" canadianos para causar mossa à seleção nacional - permitiria aos 37" nova penalidade de Percillier e no derradeiro lance da primeira parte, após um alinhamento daria mesmo o segundo ensaio dos norte-americanos, para 26-11 ao intervalo. Resultado injusto mas facilmente explicado pela força bruta de um pack canadiano atuando tipo CP.

Mas só quem não conhece estes sub-20 portugueses poderia pensar que as coisas, apesar do défice de 15 pontos, já estavam resolvidas. E o recomeço dos Lobitos foi de encher o olho... e deixar canadianos à beira de marcar consulta num psiquiatra.

Em apenas três minutos - primeiro numa fantástica arrancada do ponta Rodrigo Marta (Belenenses) penalizada com ensaio de penalidade por placagem ao pescoço, e depois numa mêlée a cinco metros conquistada facilmente e que criou uma plataforma para o entrado formação Martim Cardoso abrir para o lado fechado onde surgiu de novo Marta a faturar em voo picado - reduzia-se o avanço adversário para apenas um singelo ponto: 26-25. E tudo ficava, afinal, em aberto.

A partir daí o Canadá tomou conta do jogo por largos minutos, mas a defesa portuguesa, acantonada no seu meio-campo, não abriu uma brecha sequer perante a sucessão de ataques que embatiam no muro nacional. E aos 65" uma falta daria mesmo a reviravolta a Portugal num belíssimo pontapé do entrado Jerónimo Portela (perante certamente o olhar orgulhoso do papá Miguel, um dos magníficos Lobos do saudoso Mundial de 2007 e um dos mais fantásticos atletas que já serviram as cores nacionais na modalidade).

Uma falta para cada lado ia mantendo os Lobitos na frente por 31-29 a dez minutos do fim. E se a sorte protegia os audazes portugueses numa fácil penalidade desperdiçada por Percillier, também seria madrasta num pontapé longuíssimo chutado por Jerónimo e que esbarrou no poste!

E o jogo terminaria mesmo com os Lobitos acampados na área adversária à procura de novo ensaio numa demonstração de que, como o selecionador Luís Pissarra revelou ao DN antes da partida para Bucareste, esta colheita 2018 dos sub-20, mesmo se formada por atletas com menor experiência internacional, é composta por "cavalinhos jovens e fogosos a quem por vezes é preciso puxar as rédeas, mas que trazem faísca e chama ao jogo". Hoje, foi o Canadá quem se queimou...

Na outra partida do grupo, as Fiji bateram facilmente o Uruguai, por 55-24. E serão precisamente os fijianos os adversários dos Lobitos na próxima ronda a disputar no sábado (17.00 portuguesas).

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.