Boa noite dos avançados Silva deixa Portugal lançado na Liga das Nações

Seleção nacional bateu a Polónia por 3-2 com uma primeira parte de luxo. No segundo tempo, depois dos polacos marcarem o segundo, Portugal ainda tremeu. Mas acabou o jogo por cima. Apuramento para a final four pode acontecer já este domingo

Portugal venceu esta quinta-feira a Polónia, por 3-2, e deixou bem encaminhadas as contas no Grupo 3 da Liga das Nações, somando seis pontos em dois jogos (no primeiro bateu a Itália) e ocupando o primeiro lugar. Mesmo sem Ronaldo, na primeira parte assistiu-se a uma das melhores exibições da seleção dos últimos tempos, uma equipa consistente, que jogou de forma inteligente, e que soube dar a volta à desvantagem em que se viu aos 18 minutos. Isto numa noite em que brilharam os três Silvas do ataque - André marcou o primeiro golo, Rafa foi decisivo no segundo e Bernardo apontou o terceiro.

Num dia em que Fernando Santos cumpriu quatro anos ao serviço da seleção nacional (a estreia foi a 11 de outubro de 20014, com uma derrota num particular com a França), a grande surpresa no onze foi a inclusão de Rafa Silva, que tinha sido chamado de recurso para o lugar do lesionado Gonçalo Guedes. E que boa exibição fez o extremo benfiquista, num jogo em que três jogadores do Benfica (além de Rafa, Rúben Dias e Pizzi) foram titulares, algo raro nos últimos anos na seleção nacional.

As duas seleções entraram bem no jogo, sem receios, impondo velocidade e construíndo lances perto das respetivas áreas. Cancelo deixou um primeiro aviso logo aos 4', numa arrancada pelo lado direito que o guarda-redes Fabianski resolveu sem grandes problemas.

O jogo estava partido e podia dar golo para qualquer um dos lados. Na equipa nacional destacavam-se Rafa Silva, mais encostado ao lado esquerdo do ataque, e João Cancelo, na ala direita. Na Polónia era evidente a intenção de colocar a bola em Lewandovki, avançado do Bayern Munique que cumpriu neste jogo a sua 100.ª internacionalização.

E o primeiro golo foi da... Polónia. Aos 18 minutos, na cobrança de um canto, Piatek, que esta época leva nove golos marcados pelo Génova, surgiu a cabecear junto ao poste, num lance em que Rui Patrício não se fez à bola porque pareceu estorvado por Lewandowski.

A resposta de Portugal ao golo dos polacos foi simplesmente soberba. E no espaço de 11 minutos, a equipa nacional deu a volta ao marcador.

Primeiro aos 32', por André Silva (o 14.º golo pela seleção em 29 partidas), que surgiu sozinho na área a dar o melhor seguimento a uma assistência de Pizzi. E depois na sequência de um autogolo de Glik, após um passe magnífico de Rúben Neves, que isolou Rafa Silva - quando o extremo do Benfica se preparava para marcar, o central polaco, na tentativa de cortar a bola, colocou-a na própria baliza. Estava consumada a reviravolta e o resultado premiava a grande atuação da equipa portuguesa na primeira parte.

Polacos reagem, mas Portugal acaba o jogo em cima

Quase no início da segunda parte, aos 51', Fernando Santos torceu o nariz quando Zielinski rematou à vontade de longe e a bola passou muito perto da baliza de Rui Patrício. Mas o lance foi imediatamente esquecido, pois no minuto logo a seguir, Bernardo Silva fugiu a vários adversários e rematou de fora da área para o 3-1, com um grande golo. Estava quase concretizada a profecia dos três Silvas do ataque de Portugal, pois André marcou o primeiro golo, Rafa foi decisivo no segundo e Bernardo apontou o terceiro.

A Polónia parecia rendida ao maior poderio da seleção portuguesa. E aos 64', o selecionador fez uma dupla substituição, lançando no jogo Blaszczykowski e Grosicki, com a intenção de conseguir alterar o rumo dos acontecimentos. Fruto destas alterações, a seleção polaca melhorou. Além de conseguir construir lances perto da área portuguesa, dificultava as saídas de Portugal para o ataque.

No banco, Santos apercebeu-se deste domínio do adversário. E aos 75' lançou Renato Sanches no jogo (saiu Pizzi), numa tentativa de dar mais consistência ao meio campo português e apostar nas transições do jogador do Bayern para o ataque. Uma substituição que coincidiu com um lance muito perigoso dos polacos, que iam reduzindo por Bednarek, aos 75'.

A pressão da Polónia deu frutos aos 77 minutos, quando Blaszczykowski, o sobrinho do selecionador que tinha entrado na segunda parte, marcou num remate cruzado, depois de Pepe não ter aliviado da melhor maneira uma bola na área. Mas na verdade, o golo não deveria ter sido validado, pois antes do centro de Bereszynski a bola tinha saído pela linha lateral - é o problema desta Liga das Nações não ter vídeo-árbitro.

Portugal, que tinha deslumbrado na primeira parte e tinha entrado muito bem até ao golo de Bernardo Silva no segundo tempo, tremia perante a vontade dos polacos em dar a volta ao jogo. Depois de um período de algum sobressalto, a equipa nacional voltou a ter domínio do jogo. E aos 85', Renato Sanches esteve muito perto de matar a partida, mas depois de fintar o guarda-redes Fabianski, o remate foi cortado por Kedziora. O jogador do Bayern, quase em cima dos 90', teve de novo o golo nos pés, mas o guarda-redes polaco respondeu com uma grande defesa.

A última oportunidade de Portugal surgiu na compensação, com o recém-entrado Bruno Fernandes a rematar por cima após uma boa jogada de Renato Sanches. Ficou a ideia de que Fernando Santos deveria ter mexido na equipa um pouco mais cedo, pois como se viu, com a entrada de Renato para o meio-campo (e depois de Danilo), Portugal voltou a equilibrar o jogo e a ter mesmo as melhores oportunidades.

Portugal fica assim bem encaminhado para se apurar para a final four da Liga das Nações, o que pode acontecer já este domingo se Itália e Polónia empatarem.

A FIGURA DO JOGO

Bernardo Silva

Foi a noite dos três Silva que jogaram no ataque de Portugal. André marcou o primeiro golo, Rafa foi decisivo no segundo e Bernardo marcou o terceiro num grande lance individual. Numa boa exibição em termos globais de quase toda a seleção, sobretudo na primeira parte, o nosso destaque vai para Bernardo Silva, que subiu de produção ao longo do jogo e culminou a sua exibição com um grande golo, quando à entrada da área foi fugindo aos defesas adversários e rematou colocado para o terceiro de Portugal. O jogador do Manchester City foi ainda importante na construção de lances de ataque e soube ter discernimento na hora de maior aperto dos polacos na segunda parte.

FICHA DO JOGO

Jogo no Estádio Slaski, em Chorzow, Polónia.

Polónia: Fabianski, Bereszynski (Kedziora, 46'), Glick, Bednarek, Jedrzejczyk, Krychowiak, Klich (Blaszczykowski, 64'), Zielinski, Kurzawa (Grosicki, 64'), Piatek e Lewandowski.

Selecionador: Jerzy Brzeczek.

Portugal: Rui Patrício, João Cancelo, Pepe, Rúben Dias, Mário Rui, Rúben Neves, William Carvalho, Pizzi (Renato Sanches, 75'), Rafa (Danilo, 85'), Bernardo Silva (Bruno Fernandes, 90'+1) e André Silva.

Selecionador: Fernando Santos.

Marcadores: 1-0: Piatek, 18'; 1-1: André Silva, 31'; 1-2; Glik, 43' (própria baliza); 1-3, Bernardo Silva, 52'; 2-3, Blaszczykowski, 77'.

Árbitro: Carlos del Cerro (Espanha).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para André Silva (37), Mateusz Klich (48), Grzegorz Krychowiak (62), William Carvalho (67), Pepe (74) e Mário Rui (78).

Assistência: 48.783 espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.