Quatro membros das Pussy Riot condenados a 15 dias de prisão

Elementos do grupo feminista invadiram domingo o relvado durante a final do Mundial entre França e Croácia

Os quatro elementos do grupo feminista Pussy Riot que no domingo invadiram o relvado durante a final do Mundial entre a França e a Croácia foram condenados esta terça-feira por um tribunal de Moscovo a 15 dias de prisão, a pena máxima possível neste caso, culpados de de "violar grosseiramente as regras do comportamento dos espectadores".

As quatro pessoas invadiram o relvado ao minuto 53, num momento que foi captado pelas câmaras de televisão, vestidas com uniformes da polícia. Além dos 15 dias de prisão efetiva vão ainda ficar três anos impedidas de frequentar eventos desportivos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.