PSG entra com o pé direito na defesa do título

O Paris Saint-Germain (PSG) venceu este domingo na receção ao Caen por 3-0, na primeira jornada da Liga francesa, com Neymar a abrir o marcador.

A equipa parisiense, agora sob o comando técnico do alemão Thomas Tuchel, resolveu logo na primeira parte o destino da partida, com uma entrada forte que lhe valeu um golo logo aos 10 minutos, da autoria de Neymar, a bater o guarda-redes Brice Samba com o pé esquerdo.

A supremacia do PSG foi consumada com o segundo golo, aos 35 minutos, pelo médio Adrien Rabiot, após assistência do argentino Di Maria, e a partir daí os campeões franceses geriram a vantagem, aumentando-a aos 82, por Timothy Weah, filho do presidente liberiano, George Weah, antigo jogador e maior estrela do futebol do seu país.

Nos outros dois jogos disputados este domingo, o Lyon, outro dos candidatos ao título, confirmou o favoritismo na receção ao Amiens, com um triunfo por 2-0, que não traduziu o domínio e as oportunidades de golo que criou, e o Estrasburgo protagonizou uma meia surpresa ao vencer em Bordéus.

O avançado Bertrand Traoré, de 22 anos, abriu o marcador para o Lyon aos 24 minutos, e o internacional holandês Memphis Depay marcou o segundo, a um quarto de hora do fim.

Pela equipa do Lyon não alinhou o guarda-redes Anthony Lopes, internacional português, habitual titular, por se encontrar a cumprir sanção disciplinar.

O Bordéus pagou caro a circunstância de ter ficado reduzido a dez unidades desde o minuto 13, por expulsão do lateral esquerdo brasileiro Pablo, já que o Estrasburgo aproveitou a vantagem numérica na segunda parte, ao marcar aos 68 e 78 minutos, por Sissoko e pelo médio cabo-verdiano Nuno da Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?