Próxima aventura de Usain Bolt no futebol será na Austrália

O velocista jamaicano que conquistou oito medalhas de ouro em Jogos Olímpicos vai passar por um período de experiência no Central Coast Mariners

Usain Bolt não desiste do sonho de se tornar jogador de futebol profissional. Depois de ter estado uns dias a treinar à experiência nos alemães do Borussia Dortmund (foi visto como um golpe de marketing), o novo desafio chama-se Central Coast Mariners, clube australiano que vai receber o velocista que conquistou um total de oito medalhas de ouro em Jogos Olímpicos durante durante seis semanas para depois decidir se assina ou não contrato com o jamaicano.

"Chegou-se a um acordo de princípio com o Central Coast Mariners, sujeito ainda a vários critérios", anunciou o agente de Bolt. Os critérios em causa são o clube entender que o jamaicano de 31 anos está à altura de um clube de profissional de futebol e também razões de ordem económica: a federação daquele país deveria financiar em 30% o salário do ex-atleta, cabendo aos Mariners os restantes 70%.

Tony Rallis, empresário de Bolt, não tem dúvidas de que o velocista pode ser uma mais-valia para o clube e para o futebol australiano. "Se ele for competitivo, acredito que será um bom nome para dar fama ao campeonato australiano. É algo que nenhum dinheiro pode comprar. Trata-se de um desportista respeitado e ambicioso. A liga australiana precisa de um herói e nós temos um super-homem", referiu.

"Estamos perante uma oportunidade muito real. Isto não é nenhum truque. Queremos mesmo saber se o Bolt pode jogar futebol", confirmou Shaun Mielekamp, diretor executivo dos Mariners.

Bolt é um apaixonado por futebol (é um fã confesso do Manchester United) e participa várias vezes em jogos solidários. Ainda recentemente jogou 20 minutos pela equipa norueguesa do Stromsgodset num particular com a seleção sub-19 da Noruega, usando nas costas o número 9.58, em alusão ao seu recorde dos 100 metros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...