Primeira goleada da época para quebrar o jejum de Mourinho

O Manchester United venceu o Fulham por 4-1 e colocou ponto final a uma série de quatro jogos sem ganhar na Premier League

Finalmente José Mourinho pode sorrir. É que o seu Manchester United conquistou este sábado a primeira goleada da temporada na Premier League em partida da 16.ª jornada. A vítima foi o Fulham de Claudio Ranieri, que não conseguiu resistir aos red devils, que em Old Trafford venceram por 4-1 e colocaram ponto final a uma série de quatro jogos sem vencer no campeonato.

Este foi o 50.º triunfo de Mourinho em 92 jogos do campeonato no comando do United, numa partida em que deixou o francês Paul Pogba a ver do banco de suplentes... o que é mais um sinal das quezílias entre ambos ao longo desta época.

Com Diogo Dalot a titular, o Manchester United acabou por chegar cedo à vantagem com um golo de Ashley Young. Ainda antes do intervalo, Juan Mata (28') e Romelu Lukaku (42') deram ainda maior tranquilidade aos red devils, que dominaram a partida por completo. O avançado belga como que acabou com uma maldição que durou 997 minutos sem marcar qualquer golo em Old Trafford.

Na segunda parte, a equipa de Mourinho controlou por completo a partida, embora o Fulham tenha reduzido aos 67 minutos através de um penálti convertido pelo senegalês Kamara. Contudo, Marcus Rashford ainda apareceu já perto do final a assinar o quarto golo dos red devils, culminando da melhor forma uma excelente exibição, pois além do golo, o extremo fez ainda duas assistências.

No final da partida, Mourinho aproveitou mais uma vez para elogiar Diogo Dalot, que fez o terceiro jogo na Premier League. "Só lamento que ele tenha cá chegado após uma operação e por isso só agora começou a jogar. O Diogo tem 19 anos, é bom não esquecer, e só fez cinco jogos na Liga portuguesa antes de chegar ao United. Tem um grande potencial, talvez possa seguir os passos de Gary Neville, que durante mais de dez anos foi o defesa-direito da equipa", afirmou o treinador português.

Este resultado permite ao Manchester United subir ao sexto lugar, a cinco pontos do Arsenal, que sofreu muito para, em casa, levar de vencido o Huddersfield Town por 1-0, valendo o golo do uruguaio Lucas Torreira para que os gunners se mantivessem dentro da zona europeia da Premier League.

Jogos da 16.ª jornada:

Bournemouth-Liverpool, 0-4
Cardiff-Southampton, 1-0
Manchester United-Fulham, 4-1
West Ham-Crystal Palace, 3-2
Burnley-Brighton, 1-0
Arsenal-Huddersfield Town, 1-0
Chelsea-Manchester City, 2-0
Leicester-Tottenham, às 19.30 horas

Este domingo
Newcastle-Wolverhampton

Esta segunda-feira
Everton-Watford

Confira a classificação da Premier League

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.