Presidente do Instituto do Desporto processa antecessor por difamação

Em causa estão "afirmações, insinuações e acusações" proferidas por Augusto Baganha numa entrevista à SIC

O presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), Vítor Pataco, vai processar o seu antecessor, Augusto Baganha, por "diversas afirmações, insinuações e acusações", que colocam em causa o seu bom nome.

Em comunicado enviado à agência Lusa, Vítor Pataco anunciou que vai "às vias judiciais adequadas para que o Dr. Augusto Baganha responda por esta conduta, com vista, designadamente, a justa e cabal reposição da verdade".

Segundo o mesmo comunicado, em causa está a entrevista concedida por Baganha, que foi exonerado da presidência do IPDJ, à estação televisiva SIC, durante a qual "proferiu diversas afirmações, insinuações e acusações que, sem qualquer fundamento, remetem para supostos factos que não correspondem minimamente à verdade".

"As referidas acusações colocam em causa o meu bom nome, a minha ética profissional e a minha responsabilidade no exercício de funções públicas, produzindo consequências que o Dr. Augusto Baganha não podia deixar de antecipar, por terem sido proferidas em estação televisiva, em horário nobre de audiência, o que manifestamente levaria, como levou, à sua posterior ampla divulgação por outros órgãos e meios de comunicação social", acrescentou.

Pataco preside desde terça-feira ao IPDJ, depois de ter sido vice-presidente durante a liderança de Baganha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.