Presidente do Instituto do Desporto processa antecessor por difamação

Em causa estão "afirmações, insinuações e acusações" proferidas por Augusto Baganha numa entrevista à SIC

O presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), Vítor Pataco, vai processar o seu antecessor, Augusto Baganha, por "diversas afirmações, insinuações e acusações", que colocam em causa o seu bom nome.

Em comunicado enviado à agência Lusa, Vítor Pataco anunciou que vai "às vias judiciais adequadas para que o Dr. Augusto Baganha responda por esta conduta, com vista, designadamente, a justa e cabal reposição da verdade".

Segundo o mesmo comunicado, em causa está a entrevista concedida por Baganha, que foi exonerado da presidência do IPDJ, à estação televisiva SIC, durante a qual "proferiu diversas afirmações, insinuações e acusações que, sem qualquer fundamento, remetem para supostos factos que não correspondem minimamente à verdade".

"As referidas acusações colocam em causa o meu bom nome, a minha ética profissional e a minha responsabilidade no exercício de funções públicas, produzindo consequências que o Dr. Augusto Baganha não podia deixar de antecipar, por terem sido proferidas em estação televisiva, em horário nobre de audiência, o que manifestamente levaria, como levou, à sua posterior ampla divulgação por outros órgãos e meios de comunicação social", acrescentou.

Pataco preside desde terça-feira ao IPDJ, depois de ter sido vice-presidente durante a liderança de Baganha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.