Presidente do Instituto do Desporto processa antecessor por difamação

Em causa estão "afirmações, insinuações e acusações" proferidas por Augusto Baganha numa entrevista à SIC

O presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), Vítor Pataco, vai processar o seu antecessor, Augusto Baganha, por "diversas afirmações, insinuações e acusações", que colocam em causa o seu bom nome.

Em comunicado enviado à agência Lusa, Vítor Pataco anunciou que vai "às vias judiciais adequadas para que o Dr. Augusto Baganha responda por esta conduta, com vista, designadamente, a justa e cabal reposição da verdade".

Segundo o mesmo comunicado, em causa está a entrevista concedida por Baganha, que foi exonerado da presidência do IPDJ, à estação televisiva SIC, durante a qual "proferiu diversas afirmações, insinuações e acusações que, sem qualquer fundamento, remetem para supostos factos que não correspondem minimamente à verdade".

"As referidas acusações colocam em causa o meu bom nome, a minha ética profissional e a minha responsabilidade no exercício de funções públicas, produzindo consequências que o Dr. Augusto Baganha não podia deixar de antecipar, por terem sido proferidas em estação televisiva, em horário nobre de audiência, o que manifestamente levaria, como levou, à sua posterior ampla divulgação por outros órgãos e meios de comunicação social", acrescentou.

Pataco preside desde terça-feira ao IPDJ, depois de ter sido vice-presidente durante a liderança de Baganha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.