Presidente do Fenerbahçe partiu a mão por causa do Benfica

Em 2013 era vice-presidente quando o clube turco visitou a Luz nas meias-finais da Liga Europa e teve um ataque de fúria por causa de um golo de Cardozo

Ali Koç, de 51 anos, é oriundo de uma das famílias mais ricas da Turquia e assumiu a presidência do Fenerbahçe há quase dois meses, depois de ter feito parte da anterior direção liderada pelo anterior líder, o polémico Aziz Yildirim. E quis o destino que o primeiro adversário europeu do novo presidente seja aquele que lhe partiu a mão em 2013.

É verdade. O Benfica partiu a mão ao atual presidente do Fenerbahçe. Não literalmente, mas a história explica-se facilmente. Ali Koç era vice-presidente do clube de Istambul quando os dois clubes disputaram as meias-finais da Liga Europa de 2012/13.

Após uma vitória em casa por 1-0, os turcos visitaram a Luz com muitas esperanças no apuramento, mais ficaram quando o holandês Dirk Kuyt fez o empate, de penálti, depois de Gaitán ter aberto o marcador. Mas o sonho tornou-se em pesadelo quando Cardozo marcou o seu segundo golo e o terceiro do Benfica, que ditou o triunfo por 3-1. Irritado, Ali Koç deu um murro com toda a força que tinha numa parede do Estádio da Luz e o resultado foi uma fratura.

A paixão de Koç pelo Fenerbahçe é muita e a mão direita tem sofrido bastante... é que em 2005 sofreu uma lesão num tendão por tanto aplaudir os jogadores nos festejos do título de campeão turco.

O regresso à Luz surge numa altura em que assumiu a presidência, depois de ter batido o anterior presidente nas urnas alcançando 78% dos votos. Ali Koç prometeu aos adeptos fazer renascer o Fenerbahçe, que atravessa várias dificuldades financeiras que desde 2016, estando mesmo sob intervenção do fair-play financeiro da UEFA até 2020.

Ayew entre miúdos e veteranos

E como peça essencial para o renascimento do clube, Ali Koç foi à Holanda contratar Phillip Cocu, treinador de 47 anos três vezes campeão pelo PSV Eindhoven, que sabe desde o início que a sua missão é acabar com o caos e mudar a filosofia do clube de Istambul. As contratações milionárias do passado não são agora possíveis e, para fazer face aos tempos difíceis, o presidente pediu-lhe para apostar nos jovens jogadores formados no clube, para que depois possam ser vendidos por altas somas.

O guarda-redes Berke Özer (18 anos), os médios Baris Alici (21) e Ferdi Kadioglu (18) parecem ser neste início de temporada as principais apostas de Cocu, que este domingo recebeu uma notícia bastante ansiada: chegou o avançado ganês Andre Ayew, que chega a Istambul emprestado pelo Swansea, em quem o treinador deposita grandes esperanças para dar qualidade ofensiva à equipa.

O atual plantel é, no entanto, composto por jogadores com muitos quilómetros nas pernas, dos quais se destacam os guarda-redes Volkan Demirel (36 anos) e Carlos Kameni (34); os defesas Matrin Skrtel (33) e Mauricio Isla (30); os médios Mehmet Topal (32), Nabil Dirar (32) e Mathieu Valbuena (33); e o avançado Roberto Soldado (22).

Luís Neto espera dois grandes jogos

Luís Neto jogou no Fernerbahçe na época passada no Fenerbahçe e garante que o Benfica terá "um adversário muito difícil" pela frente, sobretudo porque vai apostar tudo nesta eliminatória, pois há dez anos que não chega a uma fase de grupos da Liga dos Campeões. Nesse sentido, o internacional português considera que "o Benfica terá de forçosamente de fazer um bom resultado em casa".

Em declarações à SportTV, o defesa-central apostou em "dois grandes jogos" e avisou que "é preciso ter cuidado com o segundo jogo lá, não só pela equipa, mas também pelos adeptos que conseguem ser facilmente o 12.º jogador". Luís Neto avisa mesmo que o Fenerbahçe tem agora "um ótimo presidente" e que "encaminhado pelos adeptos fica no auge".
Ainda assim, deixou a certeza de que Rui Vitória e os seus jogadores "saberão certamente o que têm de fazer", para consguir ultrapassar esta eliminatória.

Luís Neto foi o último dos cinco jogadores portugueses que representaram o Fenerbahçe, depois de Dimas, Raul Meireles, Bruno Alves e Nani.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.