Presidente da APAF denuncia agressões a árbitros: "Até quando vai isto continuar?"

"A saga dos tristes, frustrados, imbecis, ignorantes, cobardes, fracos, parvos, infelizes e selvagens continua", escreveu Luciano Gonçalves

O presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), Luciano Gonçalves, denunciou esta segunda-feira mais dois casos de agressões a árbitros em jogos dos campeonatos distritais, nas associações de Setúbal e Leiria.

Em nota publicada no Facebook, Luciano Gonçalves revelou que no jogo Palmelense-Cova da Piedade o árbitro foi agredido no final pelo treinador adjunto dos anfitriões, enquanto no encontro de juniores Caldas-Figueiró dos Vinhos um jogador da equipa visitante agrediu o juiz no fim da primeira parte.

"A saga dos tristes, frustrados, imbecis, ignorantes, cobardes, fracos, parvos, infelizes e selvagens continua", escreveu Luciano Gonçalves, questionando no final da publicação: "Até quando isto vai continuar? Vamos ficar todos com as mãos manchadas".

O presidente da APAF condenou a "impunidade e lentidão incompreensível por parte dos órgãos punitivos competentes em casos recentes", aguardando por "punições céleres e justas para estes e outros" casos, assinalando que em ambos os jogos havia policiamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.