Premier League: Duelo de portugueses teve golaço de Rúben Neves

Wolverhampton, de Nuno Espírito Santo, e Everton, de Marco Silva, empataram 2-2 no arranque da liga inglesa, com o médio ex-FC Porto em destaque

Rúben Neves apresentou-se à Liga inglesa com uma exibição de grande nível. O médio português marcou um golaço, de livre direto, e assistiu o ex-benfiquista Raúl Jiménez para o outro golo do Wolverhampton, no empate a 2-2 entre duas equipas treinadas por portugueses.

Começou melhor o Everton, de Marco Silva, que chegou à vantagem aos 17 minutos, pelo avançado brasileiro Richarlison, um dos reforços da época e que já tinha trabalhado com o técnico luso no Watford.

Mas o Wolverhampton, de Nuno Espírito Santo, que começou a partida com cinco jogadores portugueses no onze - Rui Patrício, João Moutinho, Rúben Neves, Diogo Jota e Helder Costa - conseguiu empatar mesmo em cima do intervalo, numa obra de arte de Rúben Neves.

Um golaço à entrada da área, na marcação de um livre direto, a castigar uma falta dura que valeu a expulsão de Jagielka. Rúben Neves confirma agora na Premier League a arte do remate de meia distância que já evidenciara na época passada no Championship, com vários golos que ajudaram à promoção dos Wolves.

Mesmo a jogar com dez, o Everton de Marco Silva voltou a colocar-se na frente, com mais um golo de Richarlison, aos 67'. Mas Rúben Neves voltou a ser protagonista no lance que garantiu o empate, com um belo cruzamento teleguiado para a cabeça de Raúl Jiménez, aos 80 minutos.

Nuno Espírito Santo utilizou ainda outro português, Rúben Vinagre, bem como outros dois jogadores que passaram pela Liga portuguesa: Willy Boly e Leo Bonatini.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.