Portugal vs. Itália. Quando Éder acabou com um jejum de quase 40 anos

As duas seleções medem forças esta segunda-feira na Liga das Nações. Historial é favorável aos italianos (18 vitórias em 25 jogos), mas no último jogo o herói do Europeu 2016 acabou com uma malapata

Portugal e Itália defrontam-se esta segunda-feira no Estádio da Luz (19.45) em partida a contar para a Liga das Nações. Será o primeiro jogo oficial da seleção comandada por Fernando Santos pós Mundial, diante de uma renovada Itália, agora comandada por Roberto Mancini, que surpreendentemente ficou de fora do último Campeonato do Mundo realizado na Rússia.

Historicamente, a Itália é um adversário difícil nos compromissos com Portugal. Basta olhar para o histórico de jogos entre as duas seleções e percebem-se rapidamente as dificuldades. Os dois países já mediram forças em 25 ocasiões (entre jogos oficiais e particulares) e o saldo é claramente a favor dos transalpinos: 18 vitórias, cinco empates e apenas cinco triunfos lusos.

Mas foi já com Fernando Santos como selecionador que a seleção nacional conseguiu quebrar um enguiço: a 16 de junho de 2015, num particular disputado em Genebra, na Suíça, Portugal bateu os italianos por 1-0, colocando termo a um jejum de 39 anos em que a equipa das quinas foi incapaz de ganhar um jogo à squadra azzurra. A curiosidade deste jogo é que o golo português foi da autoria de... Éder, que um ano mais tarde se converteria em herói nacional ao apontar o golo da vitória sobre a França que valeu a nossa seleção o título de campeã da Europa.

Sem Cristiano Ronaldo e com Beto na baliza, o avançado português marcou o golo aos 52 minutos, depois de uma assistência de trivela de Quaresma num lance que teve início numa arrancada espectacular de Eliseu. Estava desfeito o enguiço, pois o último triunfo diante dos italianos tinha sido em 1976, e de então para cá as duas seleções tinham-se defrontado 11 vezes. Na vitória obtida em dezembro de 1976, por 2-1, também num particular, os dois golos foram da autoria de Nené.

Em jogos oficiais (foram seis), a única vitória de Portugal aconteceu em 1957, na fase de apuramento para o Mundial. No Estádio Nacional, a seleção nacional venceu por 3-0, com golos da autoria de Vasques, António Teixeira e Matateu.

A partida desta segunda-feira marca a estreia de Portugal nesta nova competição da UEFA. Já os italianos, no jogo anterior, empataram a um golo com a Polónia.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?