Portugal treina em Glasgow, a dois dias do particular com a Escócia

Depois da vitória contra a Polónia, os titulares da partida vão fazer apenas treino de recuperação.

A seleção portuguesa de futebol, que quinta-feira venceu por 3-2 na Polónia, para a Liga das Nações, ruma hoje a Glasgow, onde realiza um treino, a dois dias do particular com a Escócia.

A sessão de trabalho está marcada para as 17:30, no St. Mirren Park, em Glasgow, com os primeiros 15 minutos abertos aos órgãos de comunicação social.

Os titulares do encontro de quinta-feira deverão cumprir apenas treino de recuperação, depois do segundo triunfo na mais jovem competição da UEFA, conseguido com golos de André Silva, Glik, na própria baliza, e Bernardo Silva.

Com a vitória em Chorzow, a formação das 'quinas' lidera o Grupo 3 da Liga A da Liga das Nações, com o pleno de seis pontos, contra um da Polónia e da Itália, cumprida a primeira volta.

Depois do triunfo face aos polacos, que estiveram a vencer por 1-0, Portugal cumpre no domingo um particular com a Escócia, marcado para as 17:00.

Em Chorzow, Fernando Santos apenas não pôde contar com Bruma, devido a um problema intestinal, de acordo com informação de fonte oficial da Federação Portuguesa de Futebol.

Os restantes 24 convocados para os dois embates estarão em condições de atuar em Glasgow, num jogo que o selecionador luso pode aproveitar para estrear o guarda-redes Cláudio Ramos, o defesa Pedro Mendes e o avançado Hélder Costa.

O encontro particular entre a Escócia e Portugal está marcado para domingo, pelas 17:00, no Hampden Park, em Glasgow.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?