Portugal perde (3-6) e a Espanha é campeã europeia

Uma primeira parte de bom nível, com cinco bolas aos postes, deu a sensação de que Portugal podia revalidar o título. A Espanha foi mais eficaz e na hora da verdade não perdoou, por isso ganhou bem.

A Espanha sagrou-se neste domingo campeã europeia de hóquei em patins pela 17.ª vez ao bater Portugal por esclarecedores 6-3.

O jogo até começou bem para Portugal, com Gonçalo Alves a marcar aos três minutos, mas o que se passou até ao intervalo quase só visto porque contado ninguém acredita. Já para não falar de um penálti desperdiçado pelo mesmo Gonçalo Alves, Portugal atirou cinco bolas aos ferros, mas era a Espanha que marcava. O primeiro pelo hoquista do Benfica Adroher, o segundo pelo atleta do Sporting Ferrant Font e o terceiro, à beira do intervalo, por Edu Lamas. O resultado não era muito justo e as coisas para Portugal ainda pior ficaram quando, no reatamento, Alabart e Bargalló, hoquista da Oliveirense, ampliaram para 5-1.

Deu ainda para João Rodrigues reduzir para 5-2 e logo a seguir desperdiçar um livre direto com a bola a morrer... no poste. Na resposta Ferrant Font fez o 6-2 e terminou com todas as dúvidas, se é que elas existiam. João Rodrigues, o melhor hoquista lusitano nesta final, fez o 3-6 à entrada para o último minuto.

E a Espanha junta, assim, o Europeu ao Mundial, conquistado também perante Portugal.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.