Boa primeira parte e duas estreias no empate com a vice-campeã mundial

Os croatas marcaram primeiro por Perisic; Pepe empatou de cabeça no jogo particular que marcou a sua 100.ª internacionalização. Portugal realizou uma boa primeira parte, numa partida marcada pelas estreias de Sérgio Oliveira e Gedson Fernandes

No primeiro jogo pós Mundial, a seleção portuguesa empatou a um golo esta quinta-feira com a vice-campeã mundial Croácia, num jogo particular realizado no Estádio do Algarve que serviu de teste para a estreia na Liga das Nações, segunda-feira, na Luz, diante da Itália.

Sem Cristiano Ronaldo (dispensado), e com várias surpresas no onze inicial, Fernando Santos aproveitou para testar novas soluções, jogadores que fazem parte do lote de selecionáveis, mas que raramente tiveram oportunidade de se mostrar a este nível.

A primeira parte de Portugal foi bastante boa, sobretudo no jogo pelas alas. No lado direito foi bastante interessante a dupla João Cancelo e Bernardo Silva (não falhou um único passe na primeira parte). Mas no outro corredor também Mário Rui e Bruma (jogou com o 7 de Ronaldo e foi um dos maiores destaques) deram boa conta do recado. Era aliás pelas alas que Portugal criava mais perigo diante da equipa de Modric, Kovacic, Perisic e companhia.

Apesar do domínio e de ter tido as melhores ocasiões de golo (destaque para um livre direto muito perigoso de Rúben Neves aos 16'), a Croácia marcou primeiro. Aos 18 minutos, num lance que começou com uma perda de bola de Rúben Neves no meio-campo, Perisic colocou os croatas em vantagem.

Portugal não acusou o golo. Com os setores bem ligados e muito bem na condução de jogo, começou a encostar os croatas à sua área. E os frutos foram colhidos aos 32 minutos, quando Pepe correspondeu da melhor maneira de cabeça a um centro de Pizzi. Foi a melhor prenda para o central luso-brasileiro festejar a sua 100.ª internacionalização com a camisola de Portugal.

No reatamento, Fernando Santos trocou logo Bernardo Silva por Gelson Martins. E coincidência ou não, o ritmo baixou muito. De um e outro lado. Foi um segundo tempo totalmente oposto ao primeiro, quase sem oportunidades de golo. Também a pensar na Liga das Nações, o selecionador croata retirou o mágico Modric aos 55'.

Perante o estranho adormecimento, Fernando Santos levantou-se do banco e mandou a equipa subir. Mas a melhor oportunidade de golo aconteceu aos 78 minutos, quando um centro de Mário Rui foi desviado por Milic e bateu no poste da baliza defendida por Lovre Kalinic.

Destaque para as estreias de Sérgio Oliveira e Gedson Fernandes pela seleção nacional, que entraram nos 10 minutos finais - Renato Sanches também foi a jogo. Curiosamente, um dos lances mais vistosos do jogo teve os dois debutantes como protagonistas. O benfiquista desmarcou Ronny Lopes, depois de o médio do FC Porto ter recuperado uma bola a meio campo. Nos descontos, Sérgio Oliveira ainda tentou a sua sorte de longe, mas a bola saiu por cima.

FICHA DO JOGO

Portugal: Rui Patrício, João Cancelo, Pepe, Rúben Dias, Mário Rui, Rúben Neves (Renato Sanches, 86'), Pizzi (Bruno Fernandes, 61'), William Carvalho (Sérgio Oliveira, 81), Bernardo Silva (Gelson Martins, 46'), Bruma (Rony Lopes, 68') e André Silva (Gedson, 89').

Treinador: Fernando Santos

Croácia: Lovre Kalinic, Vrsaljko (Milic, 46'), Vida (Jedvaj, 35'), Mitrovic, Barisic, Badelj, Kovacic, Pjaca (Rog, 72'), Modric (Mario Pasalic, 55'), Perisic (Cop, 63') e Livaja (Santini, 57').

Treinador: Zlatko Dalic.

GOLOS: 0-1, Perisic, 18'; 1-1, Pepe, 32'.

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Perisic (30) e Kovacic (41).

Assistência: 26.355 espectadores.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.