Poiares Maduro apela a esforço de convergência entre candidatos do Sporting

Ex-ministro encabeça um manifesto em que é expressa a preocupação devido às clivagens entre os associados leoninos que pode originar "um resultado eleitoral incapaz de legitimar os próximos órgãos sociais"

O ex-ministro Poiares Maduro encabeça um comunicado, a que o DN teve acesso, no qual expressa a preocupação relativamente ao clima de "profunda divisão"e multiplicação de candidaturas - neste momento já são nove -, que podem originar "um resultado eleitoral incapaz de legitimar os próximos órgãos sociais".

Neste manifesto, subscrito também pelo empresário Rodrigo Roquette, o fiscalista Samuel Fernandes de Almeida e o publicitário Jaime Mourão Ferreira, entre outros, faz-se um apelo a "um esforço genuíno de convergência entre os diversos potenciais candidatos, de modo a colocar de pé um projeto que seja mobilizador e reflita a diversidade do clube, promovendo a coesão e uma forte legitimação da solução de liderança resultante das próximas eleições", marcadas para o dia 8 de setembro.

Os subscritores deste comunicado garantem que não vão participar em nenhuma das listas já anunciadas, pois "nenhuma representa a solução agregadora necessária", mas deixam a certeza que admitem apoiar "uma convergência entre listas" que "reduza a solução integrada e sustentável".

Poiares Maduro lembra que "o Sporting vive um dos momentos mais traumáticos e difíceis da sua história" devido a um "período conturbado", que causou "uma situação financeira complexa". Como tal, antecipa que não existem "condições ótimas para a obtenção de sucesso desportivo", o que poderá originar "riscos de instabilidade e mesmo contestação por parte de uma massa associativa profundamente dividida".

O comunicado fala de "uma profunda fragmentação" entre os sócios leoninos, mas não defende "consensos artificiais" e como tal espera que a campanha eleitoral não seja "uma competição entre personalidades assente em preconceitos geracionais ou sociais" que possa "agravar ainda mais o clima de profunda divisão", mas sim um momento para a discussão de projetos. Nesse sentido apela para que todos coloquem "os interesses do Sporting acima" dos individuais.

Por forma a que haja uma maior legitimação política dos futuros órgãos sociais, defendem ainda que as "eleições se processassem depois de clarificada a situação disciplinar dos membros do anterior Conselho Diretivo", nomeadamente o ex-presidente Bruno de Carvalho e o ex-vice-presidente Carlos Vieira, que se encontram suspensos de sócios, aguardando o resultado do processo disciplinar em curso. Isto porque as decisões da Comissão de Fiscalização sobre estes casos "estão sujeitas a recurso" para a Assembleia Geral, o que a acontecer, no entender dos subscritores, podem "contaminar" o resultado eleitoral.

E, nesse sentido, apontam dois caminhos possíveis aos candidatos: "a procura de uma convergência ainda dentro do atual calendário eleitoral"; ou "o adiamento das eleições, usufruindo, por exemplo, do prazo máximo de seis meses em que pode funcionar a Comissão de Gestão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.