Pinto da Costa: "Vou pagar os meus impostos e os do FC Porto para subsidiar touradas?"

Presidente do FC Porto falou da polémica da tributação diferenciada entre os vários espetáculos culturais e desportivo. O futebol é taxado a 23%.

No dia de aniversários dos 15 anos do Estádio do Dragão, o presidente do FC Porto foi à televisão do clube e não deixou de abordar alguns temas da atualidade, como o Orçamento de Estado que mantém o IVA dos bilhetes de futebol na taxa de 23%."Ouve dizer-se que o IVA das touradas desce para 6%, mas o IVA dos bilhetes de futebol continua nos 23%. Isto é inqualificável", disse Pinto da Costa, presidente do FC Porto.

"A maioria dos adeptos tem muitas dificuldades para pagar bilhetes. Uma pessoa abastada, que vai as touradas, não se sabe que tenha grandes dificuldades, podem gostar de ver sangue... O futebol mantém-se nos 23%? O povo que pague. Olham para os clubes como sendo gente de segunda", criticou o líder azul e branco, esta sexta-feira no Porto Canal.

O Governo de António Costa, através do Orçamento de Estado de 2019, mantém os bilhetes do futebol com taxa de 23% de IVA, com os bilhetes dos concertos, por exemplo, a ser tributados a 6% (era de 13%): "Vou pagar os meus impostos e os do FC Porto para subsidiar touradas? Quem quiser ver animais com as farpas, que as pagues."

O presidente portista lembrou ainda que o clube pagou 42 milhões de impostos no ano passado. "Somos o melhor cliente do ministro das Finanças, esse que pede para acelerar o orçamento para ir ver o Benfica. Ele devia pensar que FC Porto contribuiu com 42 milhões, mas não há sensibilidade nenhuma para isso", defendeu Pinto da Costa lembrando que muita gente em Portugal depende da indústria do futebol para viver.

E não esqueceu o benfiquismo de António Costa: "Aceito que o Primeiro-Ministro saia a correr para ver o querido Benfica. Ao FC Porto não vem, nunca veio cá nenhum. Se calhar não têm dinheiro para portagens."

Melhores momentos do Estádio do Dragão? A goleada ao Benfica e o golo de Kelvin... ao Benfica

Pinto da Costa abordou ainda a questão do fair play financeiro da UEFA para ilustrar a diferença de argumentos entre os clubes que tentam o título da Liga dos Campeões. "Nós não podemos contratar por causa do fair play financeiro, mas depois vemos notícias do PSG e do Manchester City e percebemos que não temos as mesmas armas. Cada vez é mais difícil, mas eu e o FC Porto alimentamos esse sonho e acreditamos."

A eventual criação da Superliga europeia de clubes também não caiu nas graças do presidente dos dragões. "Numa liga dos campeões, têm de estar os campeões. Em 1987, éramos todos campeões, hoje pode vir a ser campeão europeu um clube que não foi sequer campeão nacional. Fazer uma Champions League sem ter os campeões, não compreendo. Podem fazer uma prova, mas não acredito numa Champions League nova", defendeu o líder portista à margem dos 15 anos do Estádio do Dragão.

E quando desafiado a escolher um momentos dos 15 anos do estádio escolheu a vitória, por 5-0, ante o Benfica e o "golo do Kelvin" ... frente aos encarnados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.