Pinto da Costa: "Benfica? Houve tanto desportivismo que assim está bem"

Presidente do FC Porto, o emblema que dá força à equipa vencedora da Volta a Portugal, a W52-FC Porto, "gostava de ganhar também na estrada" ao Benfica

Pinto da Costa era um presidente feliz no final da 80.ª Volta a Portugal, em Fafe. A equipa que o FC Porto partilha com a W52 ganhou individualmente (Raúl Alarcón, que venceu ainda o Prémio da Montanha, além de três etapas) e coletivamente. Foi o quarto triunfo consecutivo da W52 e o terceiro em parceria com o FC Porto, mas já é o sexto seguido da União Ciclista do Sobrado, clube por detrás desta equipa.

Tudo começou em 2013, com Alejandro Marque e prosseguiu em 2014 com Gustavo Veloso, ainda com a equipa a chamar-se OFM-Quinta da Lixa. Veloso bisou em 2015 já como líder da W52-Quinta da Lixa. Desde 2016, Rui Vinhas e Alarcón nas duas últimas edições, deram o triunfo à W52-FC Porto.

Estas alterações, a que um desporto tão dependente dos patrocinadores está muito atreito, baralharam o presidente do FC Porto, quando tentou dar uma bicada no rival Benfica, que na época passada viu frustrada pelos dragões a tentativa de chegar ao penta.

"Foi um triunfo muito importante. A a W52, que iniciou este projeto, conseguiu o penta, e anda toda a gente atrás do penta, e nós vamos no tri", disse à RTP pouco depois do final da última etapa, um contra-relógio individual de 17,3km em Fafe. Mas, como se explica em cima, foi o tetra da W52 e, sim, o tri da W52-FC Porto.

Depois, os elogios, antes de mais umas farpas ao Benfica. "O Raúl Alarcón foi o mais forte do pelotão e estamos todos felizes", observou, comentando depois o triunfo coletivo garantido no último dia. "Estávamos conscientes que podíamos juntar mais esse título e o plano do Nuno Ribeiro, que tenho de felicitar, juntámos a vitória coletiva à individual e do Prémio da Montanha", acrescentou.

Depois, com a alusão às presenças de dois dos três grandes no ciclismo (FC Porto e Sporting), foi questionado sobre se gostaria de ver o Benfica regressar à modalidade. "É-me indiferente. Mas gostava de ganhar também na estrada ao Benfica. Mas isto correu tão bem, com tanto desportivismo, que assim está bem", concluiu o presidente dos dragões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.