Pichardo, Nélson Évora e Taylor defrontam-se no Mónaco

A competição decorrerá entre os dias 19 e 20 no Principado.

A organização do Meeting de atletismo do Mónaco revelou esta sexta-feira a presença dos atletas portugueses Nélson Évora e Pedro Pablo Pichardo, que vão defrontar o norte-americano Christian Taylor, atual campeão olímpico e do mundo do triplo salto.

Pichardo, de origem cubana, viu recentemente reconhecida a sua condição de português nos 'meetings' da IAAF, ficando agora a faltar o reconhecimento para que possa participar em europeus e mundiais pela seleção portuguesa.

Esta não é a primeira vez que todos se encontram, mas os duelos têm sido mais frequentes. Pichardo, que este ano tem 17,95 metros como melhor, e Taylor, que tem 17,81 metros, são os dois atletas em atividade que já saltaram mais de 18 metros. O benfiquista fê-lo uma vez (18,06 metros), mas Taylor conseguiu fazê-lo três vezes: 18,04 metros (perdendo com Pichardo, no dia em que este saltou 18,06 metros), 18,06 metros e o segundo salto mais longo da história, 18,21 metros.

Nestes duelos, Taylor tem mais vitórias (9) do que Pichardo (6), mas este ano estão empatados, com um triunfo cada, que poderá será desempatado no Estádio Luís II, no Mónaco.

Com a balança mais desequilibrada está o sportinguista Nelson Évora (17,40 metros, em pista coberta, como melhor esta temporada), que apenas ganhou uma vez a Pichardo em 11 duelos e nunca conseguiu vencer Taylor (em 14 ocasiões).

Em grandes competições, os três apenas coincidiram nos campeonatos mundiais de 2015, quando todos foram ao pódio, registando-se o triunfo de Taylor, com Pichardo na segunda posição e Évora em terceiro. Em 2016, Pichardo não competiu nos Jogos Olímpicos, com Taylor a sagrar-se campeão e Évora a ser sexto, e repetiu-se a ausência nos mundiais de 2017, com Taylor a vencer e o sportinguista a conquistar o bronze.

Em prova, a tentar imiscuir-se nesta luta, estará o campeão mundial de pista coberta, o brasileiro Almir dos Santos (17,53 metros como melhor), que já derrotou os portugueses no meeting de Madrid em pista coberta, em fevereiro passado, chegam outros. Este dia acabaria por chegar."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.