Pedro Sousa torna-se o sexto português a entrar no top 100 do ténis mundial

Português de 30 anos subiu dois lugares no ranking e ocupa a centésima posição da lista dos melhores tenistas do planeta. João Sousa, o melhor português, caiu do 39.º para o 41.º lugar

Pedro Sousa tornou-se esta segunda-feira no sexto português a figurar no top 100 do ténis mundial, numa lista que continua a ser liderada pelo sérvio Novak Djokovic e na qual João Sousa desceu do 39.º para o 41.º posto.

Na tabela, que não sofreu qualquer alteração nos 10 primeiros classificados, Pedro Sousa, de 30 anos, surge precisamente na posição 100, tendo subido dois lugares em relação ao ranking da semana passada.

Pedro Sousa e João Sousa, que, apesar de ter descido duas posições, continua a ser o melhor represente português no ranking, integraram a seleção portuguesa que, no início de fevereiro, falhou, frente ao Cazaquistão, o acesso ao grupo Mundial da Taça Davis.

Nuno Marques foi o primeiro português a figurar no 'top 100' da hierarquia mundial, em 1991, tendo-se seguido Frederico Gil, Rui Machado, João Sousa e Gastão Elias.

Na tabela feminina, não se registaram alterações entre as 100 melhores tenistas, com a japonesa Naomi Osaka a manter-se na liderança, seguida de checa Petra Kvitova e da romena Simona Halep, segunda e terceira colocadas, respetivamente.

Notícia corrigida às 13:30. É Novak Djokovic que lidera o ranking mundial e não Rafael Nadal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.