Pedro Sousa torna-se o sexto português a entrar no top 100 do ténis mundial

Português de 30 anos subiu dois lugares no ranking e ocupa a centésima posição da lista dos melhores tenistas do planeta. João Sousa, o melhor português, caiu do 39.º para o 41.º lugar

Pedro Sousa tornou-se esta segunda-feira no sexto português a figurar no top 100 do ténis mundial, numa lista que continua a ser liderada pelo sérvio Novak Djokovic e na qual João Sousa desceu do 39.º para o 41.º posto.

Na tabela, que não sofreu qualquer alteração nos 10 primeiros classificados, Pedro Sousa, de 30 anos, surge precisamente na posição 100, tendo subido dois lugares em relação ao ranking da semana passada.

Pedro Sousa e João Sousa, que, apesar de ter descido duas posições, continua a ser o melhor represente português no ranking, integraram a seleção portuguesa que, no início de fevereiro, falhou, frente ao Cazaquistão, o acesso ao grupo Mundial da Taça Davis.

Nuno Marques foi o primeiro português a figurar no 'top 100' da hierarquia mundial, em 1991, tendo-se seguido Frederico Gil, Rui Machado, João Sousa e Gastão Elias.

Na tabela feminina, não se registaram alterações entre as 100 melhores tenistas, com a japonesa Naomi Osaka a manter-se na liderança, seguida de checa Petra Kvitova e da romena Simona Halep, segunda e terceira colocadas, respetivamente.

Notícia corrigida às 13:30. É Novak Djokovic que lidera o ranking mundial e não Rafael Nadal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.