Paulo Gonçalves está de saída do Benfica

Segundo o jornal A Bola, o diretor jurídico dos encarnados tem acordo para cessar funções, depois de ser acusado de 79 crimes no âmbito do caso e-toupeira

Paulo Gonçalves está de saída do Benfica. O diretor jurídico, acusado de 79 crimes no âmbito do caso e-toupeira, não vai resistir na estrutura encarnada e já tem acordo com Luís Filipe Vieira, escreve esta sexta-feira o jornal A Bola.

De acordo com o diário desportivo, a desvinculação foi acertada esta quinta-feira e deverá ser anunciada na próxima semana, provavelmente depois da próxima reunião do Conselho de Administração da SAD, colocando assim um ponto final na história de 12 anos do advogado na Luz.

Esta notícia contrasta com as palavras do vice-presidente Varanda Fernandes na conferência de imprensa que decorreu esta quinta-feira à tarde na Luz. "O doutor Paulo Gonçalves é funcionário do Benfica e a situação até ao momento não se alterou. Reconhecemos no doutor Paulo Gonçalves competência, dedicação e profissionalismo, tem sido funcionário que tem estes atributos, mas é questão do foro pessoal e reservo-me o direito de não comentar questões pessoais", referiu o dirigente, que até disse acreditar na inocência do advogado: "Até prova em contrário, acredito na inocência do doutor Paulo Gonçalves. Não está julgado, está acusado, não foi julgado, e conheço muitos casos de muito boa gente que foi acusada e não foi a julgamento. A justiça vai encarregar-se de apurar se tem ou não responsabilidades, factos, para poder vir a ser acusado."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.