Paulo Gonçalves cai, lesiona-se, e abandona Dakar pela quinta vez na carreira

Piloto português foi assistido e a organização fala em "leve lesão na cabeça" e que "talvez tenha partido a mão". Foi a 12.ª participação do piloto na prova

O piloto português Paulo Gonçalves abandonou esta sexta-feira o rali Dakar, depois de cair ao quilómetro 155 da quinta etapa da prova. De acordo com a organização, o português sofreu uma ligeira lesão na cabeça e talvez tenha a mão partida.

"Paulo Gonçalves não vai acabar o seu 12.º Dakar. O piloto oficial da Honda sofreu uma queda grave depois de 155 quilómetros da especial e foi forçado a desistir do Dakar pela quinta vez na carreira. O português tem uma leve lesão na cabeça e talvez tenha partido a mão", lê-se no site oficial da prova.

O português desiste assim na etapa que liga Tacna a Arequipa, no Peru, país onde decorre toda a prova. Paulo Gonçalves não começou a competição na forma física ideal, visto que retirou o baço aproximadamente há um mês. À entrada para a etapa de hoje, no entanto, era oitavo classificado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.