Paulinho deixa o Dragão e volta a representar o Portimonense

Brasileiro assinou pelo FC Porto em janeiro proveniente do clube algarvio, agora faz o caminho de regresso com um contrato de longa duração - até 2022 - após Sérgio Conceição ter-se decidido pela sua dispensa.

O médio Paulinho, contratado pelo FC Porto ao Portimonense em janeiro deste ano, regressou em definitivo ao clube algarvio, tendo assinado um contrato até 2022, informou o clube da I Liga portuguesa de futebol.

O Portimonense indicou na sua página na internet que o regresso do médio ofensivo brasileiro representou um "grande esforço da SAD para trazer de volta" um dos jogadores que fez parte da equipa que subiu ao escalão principal do futebol português e que se sagrou campeã da II Liga na temporada 2016/2017.

"A administração da SAD agradece ao FC Porto, por, mesmo com vários interessados no concurso do jogador, ter dado prioridade ao nosso clube e fazer a nossa e a vontade do atleta", lê-se na página do clube.

O médio, de 24 anos, transferiu-se do Portimonense para o FC Porto em janeiro deste ano, mas não fazia parte das escolhas de Sérgio Conceição para a presente temporada.

Paulinho é segundo jogador dispensado pelos dragões a rumar ao clube algarvio, depois de Ewerton, também contratado pelos azuis e brancos ao Portimonense no início de julho, ter integrado a título de empréstimo o plantel dos alvinegros, agora sob o comando técnico de António Folha.

O Portimonense, que ainda não somou qualquer ponto na presente temporada (derrotas 2-0 na receção ao Boavista e 2-0 na deslocação a casa do Desportivo de Chaves), ocupa o último lugar da classificação da I Liga de futebol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).