Paulinho deixa o Dragão e volta a representar o Portimonense

Brasileiro assinou pelo FC Porto em janeiro proveniente do clube algarvio, agora faz o caminho de regresso com um contrato de longa duração - até 2022 - após Sérgio Conceição ter-se decidido pela sua dispensa.

O médio Paulinho, contratado pelo FC Porto ao Portimonense em janeiro deste ano, regressou em definitivo ao clube algarvio, tendo assinado um contrato até 2022, informou o clube da I Liga portuguesa de futebol.

O Portimonense indicou na sua página na internet que o regresso do médio ofensivo brasileiro representou um "grande esforço da SAD para trazer de volta" um dos jogadores que fez parte da equipa que subiu ao escalão principal do futebol português e que se sagrou campeã da II Liga na temporada 2016/2017.

"A administração da SAD agradece ao FC Porto, por, mesmo com vários interessados no concurso do jogador, ter dado prioridade ao nosso clube e fazer a nossa e a vontade do atleta", lê-se na página do clube.

O médio, de 24 anos, transferiu-se do Portimonense para o FC Porto em janeiro deste ano, mas não fazia parte das escolhas de Sérgio Conceição para a presente temporada.

Paulinho é segundo jogador dispensado pelos dragões a rumar ao clube algarvio, depois de Ewerton, também contratado pelos azuis e brancos ao Portimonense no início de julho, ter integrado a título de empréstimo o plantel dos alvinegros, agora sob o comando técnico de António Folha.

O Portimonense, que ainda não somou qualquer ponto na presente temporada (derrotas 2-0 na receção ao Boavista e 2-0 na deslocação a casa do Desportivo de Chaves), ocupa o último lugar da classificação da I Liga de futebol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.