Passageiros do metro de Bruxelas "forçados" a ouvir canção da seleção francesa

Em causa está uma aposta feita entre as empresas que gerem este transporte nos dois países

Após a derrota frente à França por 1-0, os adeptos belgas que andaram de metro em Bruxelas foram obrigados a ouvir o hino não oficial da seleção francesa: "Tous ensemble" de Johnny Hallyday. Isto porque a empresa que gere aquele transporte fez uma aposta com o mesmo serviço francês antes do jogo de terça-feira entre as duas equipas.

Se a Bélgica ganhasse o jogo, Paris teria de mudar as placas da estação "Saint Hazard" para Eden Hazard, como forma de homenagear o jogador belga.

Caso perdesse, a Autoridade dos Transportes Públicos de Bruxelas (STIB) tinha de tocar o hino de Johnny Hallyday​​​​​​​ no metro da capital belga. E assim foi.

"Uma aposta é uma aposta", escreveu a STIB no Twitter após o jogo.

A empresa que gere o metro de Paris respondeu na mesma rede social, dizendo que estava a preparar uma placa, caso a França perdesse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.