"Vão ser obrigados a levar-nos a eleições"

Bruno de Carvalho diz que suspensão decidida pela comissão de fiscalização é ilegal e garante que vai a votos.

"Não me considero suspenso de absolutamente nada. Este processo é todo ele ilegal." Bruno de Carvalho reagiu assim à notícia de que foi suspenso de sócio do Sporting por um ano, pela comissão de fiscalização do clube.

O ex-presidente, destituído a 23 de junho, falou durante a apresentação da sua sede de candidatura às eleições de 8 de setembro, garantindo que vai reagir judicialmente, tal como já fez "com várias providências cautelares". "Quer queiram quer não, vão ser obrigados a levar-nos a eleições. Garantidamente. Nós vamos a votos", prometeu aos seus apoiantes.

"É uma comissão [de fiscalização] ilegal, antiestatutária."

Bruno de Carvalho lembrou que não reconhece nem nunca reconheceu esta comissão de fiscalização: "É uma comissão ilegal, antiestatutária." E disse que o e-mail que lhe foi enviado com a notificação da suspensão "foi diretamente para o spam".

O ex-presidente lançou um repto aos dirigentes em funções: "Peço às atuais pessoas que estão no Sporting que parem com estas movimentações e deixem quem quiser ser livremente candidato ao Sporting Clube de Portugal."

"Eu não matei ninguém, não roubei ninguém, só procurei defender os interesses do Sporting", acrescentou Bruno de Carvalho, que disse ainda estar "ansioso por poder debater com José Maria Ricciardi e restantes candidatos" as eleições de 8 de setembro.

Bruno de Carvalho promete agir judicialmente contra comissão de fiscalização.

O antigo líder leonino voltou a referir ter deixado no Sporting "um poço de petróleo" e que, por isso, "não faltam candidatos" à presidência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.