Paços de Ferreira bate Penafiel e volta a isolar-se na liderança

O emblema pacense reassumiu este domingo a liderança isolada da II Liga, ao vencer na receção aos durienses, por 2-0, num jogo da 10.ª jornada que os pacenses só desbloquearam na segunda parte.

Wagner inaugurou o marcador aos 57 minutos, com um remate colocado na área do Penafiel, e fez a assistência para o segundo do Paços, anotado de cabeça pelo inevitável Luiz Phellype, aos 63, confirmando a superioridade dos pacenses em jogos na Capital do Móvel diante dos rubro-negros, com um total de 11 vitórias em 18 jogos, em todos os escalões.

Com este resultado, o candidato Paços de Ferreira reassumiu o primeiro lugar, com 24 pontos, e menos um jogo do que o Famalicão, segundo classificado, com 23, e do que o Estoril-Praia, terceiro, com 20.

O Penafiel, por sua vez, mantém, provisoriamente, o nono lugar, com 14 pontos.

O dérbi jogado na Capital do Móvel opunha as duas melhores defesas da prova, com uma primeira parte com sinal mais dos pacenses, mas parca em oportunidades de golo.

Os locais apostavam no jogo pelas alas, mas apenas conseguiram obrigar o guarda-redes José Costa a aplicar-se aos 43 minutos, quando o guarda-redes, com uma saída rápida, negou o golo a Luiz Phellype.

O guarda-redes penafidelense agradeceu o desacerto de Uilton, logo aos três minutos, e o desentendimento entre Wagner e Luiz Phellype, aos 13, quando tentaram rematar ao mesmo tempo, mas o maior susto surgiu aos 31, quando Luís Pedro quase fez autogolo.

Em termos ofensivos, o Penafiel viveu praticamente dos lances de bola parada, e foi dessa forma que Luís Pedro ficou perto do golo, aos 17 minutos, voltando a criar grande perigo aos 47, quando Vasco Braga, também de livre, levou a bola ao ferro.

A segunda parte tinha começado melhor para os visitantes, mas a maior qualidade dos pacenses acabou por fazer a diferença e, aos 57 minutos, Wagner deu a melhor sequência a um lance iniciado por Diaby.

Seis minutos depois, aos 63, Wagner centrou da esquerda e Luiz Phellype, beneficiando de alguma apatia defensiva do Penafiel, cabeceou na pequena área para o segundo golo, que praticamente acabou com a história do jogo e as esperanças ténues dos rubro-negros.

Ficha de jogo

Jogo disputado no Estádio Capital do Móvel, em Paços de Ferreira.

Paços de Ferreira-Penafiel, 2-0.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Wagner, 57 minutos.

2-0, Luiz Phellype, 63.

Equipas:

- Paços de Ferreira: Ricardo Ribeiro, Bruno Santos, Marco Baixinho, Junior Pius, Bruno Teles, Diaby, Luiz Carlos, Pedrinho (Vasco Rocha, 88), Wagner (Fatai, 83), Luiz Phellype (Douglas Tanque, 85) e Uilton.

(Suplentes: Carlos Henriques, Marcos Valente, Vasco Rocha, Christian, Fatai, Ayongo e Douglas Tanque).

Treinador: Vítor Oliveira.

- Penafiel: José Costa, Pedro Lemos, João Paulo, Luís Pedro, Daniel Martins, Romeu Ribeiro, Tiago Ronaldo (Areias, 76), Ludovic, Vasco Braga (Márcio, 89), Caetano (Cristian, 62) e Pires.

(Suplentes: Ivo Gonçalves, Leandro, Vini, Rafa Sousa, Cristian, Márcio e Areias).

Treinador: Armando Evangelista.

Árbitro: Luís Godinho (AF Évora) .

Ação disciplinar: Cartão amarelo para João Paulo (56), Diaby (73), Ludovic (74), Romeu Ribeiro (79), Luís Pedro (81) e Ricardo Ribeiro (90+1).

Assistência: cerca de 1.500 espetadores.

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.