Os números e os recordes da I Liga

Jogadores mais jovens e mais velhos, treinador que orientou mais equipas na competição e futebolistas (no ativo e de sempre) com mais jogos e golos no campeonato português

A edição 85 do principal campeonato português arranca esta sexta-feira com a promessa de muitos golos e espetáculos aprazíveis no decorrer dos 306 jogos. Mas antes de a bola começar a rolar, vamos aos números a ter em conta na versão 2018/19 da I Liga.

Comecemos pelos valores do mercado de transferências, que em Portugal vai estar aberto até ao último dia do mês. O FC Porto dominou nas compras e nas vendas, ao recrutar o central congolês Chancel Mbemba por 8 milhões de euros ao Newcastle e ao vender os passes de Ricardo Pereira ao Leicester e de Diogo Dalot ao Manchester United, ambos por 22 M. Por bater, ficaram os recordes nacionais de transferências: os 22 M pagos pelo Benfica ao Atlético Madrid em 2015 e os 45 M encaixados pelo FC Porto com a transferência de James Rodríguez para o Mónaco em 2013.

Mais velho e mais jovem

Na temporada transata, o guarda-redes Quim tornou-se o jogador mais velho de sempre a atuar na competição, participando a 14 de janeiro numa derrota do Desp. Aves ante o Sporting (0-3), em Alvalade, com 42 anos, 2 meses e 1 dias. Olhando para os plantéis atuais, esse recorde não será batido, pois o mais velho é o guarda-redes Artur Moraes (também do Desp. Aves), que chegará ao fim do campeonato com 38 anos.

Também improvável é a queda da marca de futebolista mais jovem de sempre a jogar na I Liga, que pertence a Bruno Gama desde 10 de abril de 2004. O então extremo do Sp. Braga, agora ao serviço dos gregos do Aris Salónica, participou num empate no terreno da União de Leiria (2-2) com 16 anos, 4 meses e 26 dias. Atendendo aos adolescentes que participaram na pré-época dos 18 clubes, o central boavisteiro Gonçalo Cardoso é o que mais se pode aproximar, se na segunda-feira visitar o Portimonense aos 17 anos, 9 meses e 23 dias.

Jogos e golos

No que concerne a número de jogos, o recordista é o antigo avançado Manuel Fernandes, que somou 485 encontros na I Divisão ao serviço de CUF, Sporting e Vitória de Setúbal. O atual dirigente leonino pode ficar descansado, que o seu recorde vai continuar intacto durante os próximos anos, pois quem mais se aproxima é o central benfiquista Luisão (337), que até já anunciou que se vai retirar no final da temporada. O portista Maxi Pereira (283) e o sportinguista Marcelo (152) são os mais experientes dos respetivos clubes na prova, enquanto Tarantini (264) é o melhor português dos 18 plantéis.

Em termos de golos, o antigo goleador sportinguista Fernando Peyroteo continuará intacto no trono (332), num ano em que se comemora o centenário do seu nascimento. De entre os que vão iniciar esta época, o melhor é o (ainda) benfiquista Jonas (99 golos), seguido do avançado leonino Bas Dost (61), do portista Marega (47), do boavisteiro Mateus (45) e do fogaceiro Edinho (44), o líder nacional.

Eternos Fernando Vaz e Manuel Oliveira

Ao nível de treinadores, o trono é partilhado por Fernando Vaz e Manuel Oliveira. Ambos são os técnicos com mais jogos e mais clubes orientados na I Liga. Vaz soma 626 partidas e 11 clubes ao longo de 25 temporadas, aos comandos de Belenenses, Sp. Braga, FC Porto, Caldas, Sporting, CUF, V. Setúbal, Académica, Atlético, Beira-Mar e Marítimo. Oliveira está um pouco atrás no número de encontros (617), mas em 28 temporadas sentou-se no banco de 14 (!) clubes, um recorde absoluto. A saber: CUF, Leixões, Belenenses, Sanjoanense, Olhanense, Farense, Beira-Mar, Leiria, Barreirense, V. Setúbal, Marítimo, Fafe, Nacional e Portimonense.

Entre os 18 treinadores que vão começar a época - metade dos quais recém-chegados aos respetivos cargos -, o técnico avense José Mota é o que parte com mais jogos (379) e clubes (seis) na I Liga, mas verá o segundo registo ser igualado precisamente pelo adversário da 1.ª jornada, o timoneiro sadino Lito Vidigal. Além do Desp. Aves, Mota orientou Paços de Ferreira, Leixões, V. Setúbal, Gil Vicente e Feirense. Já Vidigal orientou Estrela da Amadora, União de Leiria, Belenenses, Arouca e Aves antes de assinar pelo emblema do Bonfim.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.