Os números e os recordes da I Liga

Jogadores mais jovens e mais velhos, treinador que orientou mais equipas na competição e futebolistas (no ativo e de sempre) com mais jogos e golos no campeonato português

A edição 85 do principal campeonato português arranca esta sexta-feira com a promessa de muitos golos e espetáculos aprazíveis no decorrer dos 306 jogos. Mas antes de a bola começar a rolar, vamos aos números a ter em conta na versão 2018/19 da I Liga.

Comecemos pelos valores do mercado de transferências, que em Portugal vai estar aberto até ao último dia do mês. O FC Porto dominou nas compras e nas vendas, ao recrutar o central congolês Chancel Mbemba por 8 milhões de euros ao Newcastle e ao vender os passes de Ricardo Pereira ao Leicester e de Diogo Dalot ao Manchester United, ambos por 22 M. Por bater, ficaram os recordes nacionais de transferências: os 22 M pagos pelo Benfica ao Atlético Madrid em 2015 e os 45 M encaixados pelo FC Porto com a transferência de James Rodríguez para o Mónaco em 2013.

Mais velho e mais jovem

Na temporada transata, o guarda-redes Quim tornou-se o jogador mais velho de sempre a atuar na competição, participando a 14 de janeiro numa derrota do Desp. Aves ante o Sporting (0-3), em Alvalade, com 42 anos, 2 meses e 1 dias. Olhando para os plantéis atuais, esse recorde não será batido, pois o mais velho é o guarda-redes Artur Moraes (também do Desp. Aves), que chegará ao fim do campeonato com 38 anos.

Também improvável é a queda da marca de futebolista mais jovem de sempre a jogar na I Liga, que pertence a Bruno Gama desde 10 de abril de 2004. O então extremo do Sp. Braga, agora ao serviço dos gregos do Aris Salónica, participou num empate no terreno da União de Leiria (2-2) com 16 anos, 4 meses e 26 dias. Atendendo aos adolescentes que participaram na pré-época dos 18 clubes, o central boavisteiro Gonçalo Cardoso é o que mais se pode aproximar, se na segunda-feira visitar o Portimonense aos 17 anos, 9 meses e 23 dias.

Jogos e golos

No que concerne a número de jogos, o recordista é o antigo avançado Manuel Fernandes, que somou 485 encontros na I Divisão ao serviço de CUF, Sporting e Vitória de Setúbal. O atual dirigente leonino pode ficar descansado, que o seu recorde vai continuar intacto durante os próximos anos, pois quem mais se aproxima é o central benfiquista Luisão (337), que até já anunciou que se vai retirar no final da temporada. O portista Maxi Pereira (283) e o sportinguista Marcelo (152) são os mais experientes dos respetivos clubes na prova, enquanto Tarantini (264) é o melhor português dos 18 plantéis.

Em termos de golos, o antigo goleador sportinguista Fernando Peyroteo continuará intacto no trono (332), num ano em que se comemora o centenário do seu nascimento. De entre os que vão iniciar esta época, o melhor é o (ainda) benfiquista Jonas (99 golos), seguido do avançado leonino Bas Dost (61), do portista Marega (47), do boavisteiro Mateus (45) e do fogaceiro Edinho (44), o líder nacional.

Eternos Fernando Vaz e Manuel Oliveira

Ao nível de treinadores, o trono é partilhado por Fernando Vaz e Manuel Oliveira. Ambos são os técnicos com mais jogos e mais clubes orientados na I Liga. Vaz soma 626 partidas e 11 clubes ao longo de 25 temporadas, aos comandos de Belenenses, Sp. Braga, FC Porto, Caldas, Sporting, CUF, V. Setúbal, Académica, Atlético, Beira-Mar e Marítimo. Oliveira está um pouco atrás no número de encontros (617), mas em 28 temporadas sentou-se no banco de 14 (!) clubes, um recorde absoluto. A saber: CUF, Leixões, Belenenses, Sanjoanense, Olhanense, Farense, Beira-Mar, Leiria, Barreirense, V. Setúbal, Marítimo, Fafe, Nacional e Portimonense.

Entre os 18 treinadores que vão começar a época - metade dos quais recém-chegados aos respetivos cargos -, o técnico avense José Mota é o que parte com mais jogos (379) e clubes (seis) na I Liga, mas verá o segundo registo ser igualado precisamente pelo adversário da 1.ª jornada, o timoneiro sadino Lito Vidigal. Além do Desp. Aves, Mota orientou Paços de Ferreira, Leixões, V. Setúbal, Gil Vicente e Feirense. Já Vidigal orientou Estrela da Amadora, União de Leiria, Belenenses, Arouca e Aves antes de assinar pelo emblema do Bonfim.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.