Os golos, os casos e as jogadas do Belenenses - FC Porto (2-3, resultado final)

Partida da segunda jornada da I Liga realizada no Jamor

Golos

Livre de Alex Telles na esquerda e o central, no coração da área, cabeceia de cima para baixo e faz a bola entrar junto ao poste, de nada servindo a estirada de Muriel.

Belenenses tenta sair a jogar mas um mau passe atrasado de Dálcio coloca a bola em Otávio, que contorna Muriel e atira para o fundo das redes.

O lance do penálti que daria o 1-2. Dálcio trabalha a bola na área e remata contra o braço de Diogo Leite. Após consultar o VAR, Carlos Xistra assinala grande penalidade.

Avançado remata junto ao poste com Casillas a não esboçar reação.

Excelente golpe de cabeça de Keita, concluindo um bom trabalho de Fredy na direita.

O lance do penálti que daria a vitória ao FC Porto. Remate à meia-volta de Herrera, a bola desvia no braço de um jogador anfitrião e toca no poste. Carlos Xistra consulta o VAR e assinala grande penalidade.

Alex Telles engana o compatriota e recoloca a formação portista em vantagem.

Casos

Bola cabeceada por Herrera entra em contacto com o braço de Gonçalo Silva. Árbitro manda seguir o jogo.

Lance entre Lucca e Aboubakar, segue a jogada.

Falta dura de Maxi Pereira sobre um adversário.

Camaronês é admoestado após falta dura sobre um adversário.

Outros lances

Passe atrasado de Felipe, Keita intromete-se e pressiona Casillas, que remata contra o avançado e depois a bola ressalta no guardião espanhol, saindo pela linha-de-fundo.

Cruzamento de Maxi Pereira para a área, onde André Pereira desvia e deixa Muriel batido. Valeu o ferro da baliza...

Licá remata na passada e obriga Casillas a defesa a dois tempos.

Brahimi desmarca-se na esquerda da área e atira para grande defesa de Muriel, a dar o corpo à bola.

Keita rompe pela direita na área e remata rasteiro e cruzado para defesa com o pé de Casillas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.