Os golos e os melhores lances do FC Porto - Desp. Chaves (5-0)

Dragões estrearam-se em casa com uma goleada

Os golos

Marca Aboubakar aos 14'. Erro de Ghazaryan que perde para Otávio, este mete rasteiro na área, André Pereira faz a simulação e é o camaronês a atirar para o fundo das redes.

Sérgio Oliveira desmarca Otávio, este foge à defesa flaviense e serve Aboubakar no coração da área, que só tem de encostar. Está feito o 2-0, aos 20'

Aboubakar serve Brahimi, este olha para a baliza, remata para o lado direito e faz o 3-0 mesmo em cima do intervalo.

Remate de pé esquerdo do mexicano Corona, forte e colocado, sem hipótese de defesa para Ricardo.

Maxi cruza, Sérgio Oliveira tenta o remate à meia-volta, mas é Marius quem finaliza.

Casos

Felipe desarma William à entrada da área, Nuno Almeida manda seguir.

Lance entre Otávio e Eustáquio.

Outros lances

Aboubakar aparece na cara de Ricardo, mas domina mal e permite que o guarda-redes flaviense se antecipe e segure.

Falha Aboubakar. Grande cruzamento de Felipe, o avançado camaronês aparece sozinho na área a cabecear, mas levanta muito a bola e atira por cima.

Falhanço de André Pereira! Maxi cruza atrasado para o jovem portista que remata de primeira, mas atira ao lado.

Brahimi! Lance de bola parada, Felipe serve o argelino de cabeça e este atirou perigosamente ao lado da baliza do GD Chaves.

Ninguém para desviar! Brahimi outra vez a aparecer sozinho, cruzamento quase sem ângulo, a bola passa em frente à baliza vazia e sai ao lado.

Remate prensado de Aboubakar, a bola desvia num adversário e sai ao lado. Canto para o FC Porto.

Corona! O mexicano aparece em boa posição, mas o remate sai às malhas laterais.

Remate de Brahimi já na área, sai ao lado.

Nuno Almeida recorre ao vídeo-árbitro para analisar o lance entre João Teixeira e Sérgio Oliveira, e acaba por dar ordem de expulsão ao jogador flaviense.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.