Porto vence Moreirense em noite de regressos. Marega marca e Danilo entra

Veja os vídeos com os melhores momentos da primeira parte no Dragão

Aos nove minutos, o árbitro Hélder Malheiro assinala grande penalidade a favor do FC Porto, mas depois vai ele mesmo visualizar o lance entre Loum e Aboubakar e volta atrás na decisão.

Canto de Telles, Militão cabeceia, a bola sobra Herrera que, sozinho no segundo poste, só tem de encostar para o primeiro da noite, aos 15 minutos de jogo.

O segundo golo no Dragão começa em Otávio que passa para Marega, este atira com intenção mas acerta no poste. Ainda assim, sobra para Aboubakar e o FC Porto bisa na partida.

O Moreirense ainda não desistiu do jogo. Corta Militão! Cruzamento de Heri para a área onde estava Bilel, valeu o desvio providencial do central portista.

Chiquinho foge a Felipe e serve Heri que é desarmado por Militão na área.

Gritou-se golo no Dragão, com Maxi a servir Brahimi, remate rasteiro a dar a sensação de golo, mas a bola sai a rasar o poste.

Canto para os visitantes, Ivanildo nas alturas a cabecear, à figura de Casillas que segura facilmente.

Contra-ataque do Moreirense FC, Maxi perde para Bilel em zona proibida, este é desarmado mas sobra para Chiquinho colocar à prova o guarda-redes portista, que responde com uma boa defesa.

Livre batido por Alex Telles que não faz por muito pouco o golo, mas a bola saiu para fora.

E ao cair do pano, o terceiro do Porto. Marega marca e confirma a vitória.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.