Nadal acaba com o sonho de Tsitsipas e é o primeiro finalista

O tenista espanhol, segundo classificado do 'ranking' mundial, qualificou-se pela quinta vez para a final do Open da Austrália, primeira prova do Grand Slam de 2019, ao vencer o grego Stefanos Tsitsipas em três sets.

Nadal, segundo cabeça de série, que já conquistou 17 títulos do Grand Slam - mas apenas um no torneio de piso duro australiano, em 2009 -, impôs-se a Tsitsipas, 15.º tenista do mundo, pelos parciais de 6-2, 6-4 e 6-0, após uma hora e 48 minutos de encontro, assegurando a presença no jogo decisivo, que perdeu em 2012, 2014 e 2017.

O espanhol colocou um ponto final no sonho do jovem grego em chegar à sua primeira final do Grand Slam neste Open da Austrália. Tsitsipas foi uma das sensações do torneio, ao derrotar Roger Federer pelo caminho e chegar pela primeira vez às meias-finais de um dos quatro principais torneios do ano.

Nadal vai agora disputar o título no Open da Austrália com o vencedor do encontro entre o sérvio Novak Djokovic, líder do 'ranking' mundial e primeiro cabeça de série, e o francês Lucas Pouille, 31.º classificado da hierarquia, estreante em meias-finais de um 'major', que se realiza na sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.