João Sousa qualifica-se para a terceira ronda do Open da Austrália

O tenista português João Sousa qualificou-se esta quinta-feira para a terceira ronda do Open da Austrália, ao vencer o alemão Philipp Kohlschreiber numa batalha de cinco 'sets'.

João Sousa, número um português e 44.º mundial, único luso ainda em competição em Melbourne Park, bateu o jogador da Alemanha (34.º do ranking), pelos parciais de 7-5, 4-6, 7-6 (7-4), 5-7 e 6-4, em quatro horas e 18 minutos.

Na primeira eliminatória, o vimaranese também precisou de cinco 'sets' para vencer o argentino Guido Pella, 66.º, em quatro horas.

Na próxima ronda, o tenista português vai defrontar o japonês Kei Nishikori, nono da hierarquia mundial. O nipónico venceu hoje o crota Ivo Karlovic, também em cinco 'sets', em três horas e 48 minutos de jogo.

Na quarta-feira, João Sousa avançou para a segunda ronda de pares neste primeiro 'major' do ano, ao lado do argentino Leonardo Mayer, depois da dupla luso-argentina vencer os espanhóis Feliciano Lopez e Marc Lopez por 6-4, 6-7 (1-7) e 6-3.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.