Oficial: Sousa Cintra já não é presidente da SAD

Líder escolhido pela comissão de gestão renunciou esta quarta-feira ao cargo. Leões informaram a CMVM que o novo presidente do clube, Frederico Varandas, passa a ser membro do conselho de administração da sociedade leonina

Sousa Cintra, que desempenhou funções de presidente da SAD do Sporting durante o mandato da Comissão de Gestão, deixou oficialmente o cargo esta quarta-feira, na sequência das eleições do clube que elegeram no fim de semana Frederico Varandas como novo presidente.

"A SAD do Sporting, tal como manda a lei, comunicou a decisão à Comisão do Mercado de Valores Mobilários (CMVM). A SPORTING CLUBE DE PORTUGAL - FUTEBOL, SAD (adiante Sporting SAD), nos termos e para efeitos do cumprimento da obrigação de informação que decorre do disposto no artigo 248-Aº, nº1 do Código dos Valores Mobiliários, vem informar o mercado que: O acionista SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, titular das ações de categoria A representativas do capital social da Sporting SAD, comunicou ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Sociedade a designação de Frederico Nuno Faro Varandas como membro do Conselho de Administração da Sporting SAD representante das ações de categoria A da Sociedade, nos termos e para os efeitos do disposto no art.º 14º n.º 3 dos Estatutos da mesma. Mais se informa que José de Sousa Cintra apresentou renuncia ao cargo de Presidente do Conselho de Administração da Sociedade", podia ler-se no comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."