Oceano já foi abordado por candidatos e não candidatos

As eleições do Sporting estão a mexer e o antigo capitão leonino está nos planos de quem quer suceder a Bruno de Carvalho. É o próprio quem o diz ao DN

Oceano Cruz, jogador do Sporting durante 11 temporadas, repartidas por duas passagens, e um dos mais emblemáticos capitães do clube verde e branco, tem sido seduzido a juntar-se a algumas candidaturas às eleições do Sporting. É o próprio quem o revela ao DN.

"Já fui abordado por alguns candidatos assumidos e por outras pessoas que ainda estão a pensar. Não me custa nada falar com as pessoas. A minha decisão ainda não está tomada, mas está para muito breve", explica Oceano ao DN referindo-se à sua vida profissional, pois até ao momento tem sido adjunto de Carlos Queiroz na seleção da Irão, mas pretendia, a partir de agora, dedicar-se a um projeto a solo. Contudo, a federação iraniana "tem pressionado no bom sentido" a equipa técnica de Carlos Queiroz a ficar até à Taça da Ásia que se disputa em janeiro de 2019. Por outro lado existe agora a questão das eleições do Sporting.

Ao que o DN conseguiu saber Oceano fui sondado para ocupar um lugar de relevo na Academia de Alcochete, situação que não confirma. Nos próximos dias saber-se-à se Oceano continuará no Irão, se constituirá a sua própria equipa técnica ou se se juntará a uma lista candidata às eleições do Sporting.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.