O que sabe a Europa sobre a América Latina (e vice-versa)?

Quase nada, além de futebol e de um chorrilho de clichés. Adeptos nem desconfiam que um uruguaio é mais do que um latino ou que um belga não é somente um europeu

O que tem em comum um uruguaio e um francês ou um brasileiro e um belga? Não vale responder que é o futebol só porque estiveram esta tarde no Terreiro do Paço, em Lisboa, a sofrer pelas suas seleções nos quartos-de-final deste Mundial. Um uruguaio tão perto de um francês e um brasileiro mesmo ao lado de um belga é uma oportunidade rara para se ficar apenas pelos clichés. Descobrir o que sabem uns sobre a América-Latina e outros sobre a Europa será bem mais interessante.

"Adoram futebol e são capazes de estar um dia inteiro a dançar samba, merengue ou rumba", responde entre risadas Nicolas Prevost, adepto da cidade de Lille. Antonella Ruiz é um pouco mais específica, traçando de uma assentada o perfil de um francês típico: "Tem um nariz grande como o Obelix, só gosta de falar na sua língua, come e bebe queijos e vinhos que se farta."

É triste, mas na Arena Portugal, o que une a América Latina e a Europa são os lugares-comuns. Além de um punhado de chavões, eles pouco ou nada sabem sobre os outros. "Acho que é normal - admite Diego Díaz -, a globalização e o futebol não aproximam ninguém. Hollywood e televisão é que tornam todos iguais." O "normal", contudo, pode ser "irritante", conclui o adepto de Colónia do Sacramento. Principalmente para quem não gosta de ser apenas um latino-americano.

"Somos mais do que isso, mas pior é quando nos confundem com uma província da Argentina", lamenta ele. E o Uruguai é mais "progressista" do que qualquer país vizinho. Não é à toa que são pioneiros em tanta coisa: "Os primeiros do mundo a ter negros no futebol, dos primeiros na América Latina a legalizar a canábis ou a prostituição", conta ele orgulhoso.

Se um uruguaio se queixa dos argentinos, o que dizer de um belga que se sente engolido pelos franceses? "Quando se lembram de nós, o que vem à cabeça são waffles, BD e Hercule Poirot", conta AbigaelleLaarman. O que não é nada mau, tendo em conta que a maioria os ícones belgas são confundidos com franceses: "Quantos latino-americanos ou mesmo europeus sabem que René Magritte, Marguerite Yourcenar e até Jacques Brel são belgas?"

A pergunta fica para quem quiser responder, mas, para os que porventura não encontram no futebol a forma mais eficaz de juntar culturas, é sempre bom lembrar que a bola continua a ser o melhor desbloqueador de conversas. E quando a conversa flui entre dois estranhos, é bem mais fácil conhecer quem está do outro lado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.