O que sabe a Europa sobre a América Latina (e vice-versa)?

Quase nada, além de futebol e de um chorrilho de clichés. Adeptos nem desconfiam que um uruguaio é mais do que um latino ou que um belga não é somente um europeu

O que tem em comum um uruguaio e um francês ou um brasileiro e um belga? Não vale responder que é o futebol só porque estiveram esta tarde no Terreiro do Paço, em Lisboa, a sofrer pelas suas seleções nos quartos-de-final deste Mundial. Um uruguaio tão perto de um francês e um brasileiro mesmo ao lado de um belga é uma oportunidade rara para se ficar apenas pelos clichés. Descobrir o que sabem uns sobre a América-Latina e outros sobre a Europa será bem mais interessante.

"Adoram futebol e são capazes de estar um dia inteiro a dançar samba, merengue ou rumba", responde entre risadas Nicolas Prevost, adepto da cidade de Lille. Antonella Ruiz é um pouco mais específica, traçando de uma assentada o perfil de um francês típico: "Tem um nariz grande como o Obelix, só gosta de falar na sua língua, come e bebe queijos e vinhos que se farta."

É triste, mas na Arena Portugal, o que une a América Latina e a Europa são os lugares-comuns. Além de um punhado de chavões, eles pouco ou nada sabem sobre os outros. "Acho que é normal - admite Diego Díaz -, a globalização e o futebol não aproximam ninguém. Hollywood e televisão é que tornam todos iguais." O "normal", contudo, pode ser "irritante", conclui o adepto de Colónia do Sacramento. Principalmente para quem não gosta de ser apenas um latino-americano.

"Somos mais do que isso, mas pior é quando nos confundem com uma província da Argentina", lamenta ele. E o Uruguai é mais "progressista" do que qualquer país vizinho. Não é à toa que são pioneiros em tanta coisa: "Os primeiros do mundo a ter negros no futebol, dos primeiros na América Latina a legalizar a canábis ou a prostituição", conta ele orgulhoso.

Se um uruguaio se queixa dos argentinos, o que dizer de um belga que se sente engolido pelos franceses? "Quando se lembram de nós, o que vem à cabeça são waffles, BD e Hercule Poirot", conta AbigaelleLaarman. O que não é nada mau, tendo em conta que a maioria os ícones belgas são confundidos com franceses: "Quantos latino-americanos ou mesmo europeus sabem que René Magritte, Marguerite Yourcenar e até Jacques Brel são belgas?"

A pergunta fica para quem quiser responder, mas, para os que porventura não encontram no futebol a forma mais eficaz de juntar culturas, é sempre bom lembrar que a bola continua a ser o melhor desbloqueador de conversas. E quando a conversa flui entre dois estranhos, é bem mais fácil conhecer quem está do outro lado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.