O que liga Paulo Machado a Modric e Pjaca?

Jogador português jogou com Pjaca, Rog e Strinic no Dínamo Zagreb, clube onde herdou o número da estrela do Real Madrid...

Herdeiro da mítica camisola 10 de Modric no Dínamo Zagreb, Paulo Machado não esquece a ligação à estrela do Real Madrid. Em 2016 o médio croata soube da admiração que o português tinha por ele e enviou-lhe uma camisola 19 merengue (ver foto), antes da final da Champions ganha nesse ano. "Tinha de ter uma camisola de um jogador como ele, é fantástico, um dos melhores do Mundo. Modric está a ser o melhor jogador deste mundial na minha opinião, merece ir à final e se isso acontecer não tenho dúvidas que se junta a Ronaldo e Messi na lista dos melhores do mundo", elogiou o jogador ao DN.

Quem lhe entregou a camisola foi a sogra de Modric, que era a contabilista dos portugueses que jogavam no Zagreb: "Ela é incrível, muito atenciosa e preocupada, qualquer coisa liga logo", contou o jogador ao DN, ele que em 2016, chegou a pensar que se tratava da mãe do camisola 10 da seleção croata e só mais tarde soube que afinal era a sogra.

Paulo Machado jogou no Dínamo de Zagreb (2014-2017), viu crescer esta geração croata e nunca escondeu a admiração pelo talento que crescia nos balcãs. "A Croácia está muito forte, é uma seleção muita completa e com muito talento e atenção que estão a aparecer muitos jovens com valor", elogiou o médio português.

Recomendou o amigo Pjaca ao FC Porto

Jogou na liga croata durante três época ao lado de Marko Pjaca, Marko Rog e Strinic. Ainda hoje são amigos. "O Pjaca é craque. Cheguei a falar com pessoas do scouting do FC Porto e o primeiro jogador que sugeri foi ele, porque o miúdo é um fenómeno. Há jogadores que não enganam, basta treinar com ele para saber. O FC Porto demorou a reagir e ele acabou na Juventus", revelou ao DN o ex-dragão.

O médio português manteve a ligação ao clube croata de onde saiu na época passada para jogar no Desp. Aves e alerta que "a Croácia não é só Modric e Rakitic, é Perisic, Pjaca, Mandžukicc e por aí fora...",

Ainda não falou com os amigos no Mundial 2018 para "não desestabilizar", mas eles bem que merecem uma mensagenzinha: "Vai ser um bom jogo e se eles conseguirem anular as linhas de passe para o Harry Kane, não tenho dúvida de que cheguem à final. Acredito que vai ser um jogo aberto, ninguém vai querer ir aos penáltis outra vez."

O futebol croata tem qualidade e "felizmente" abriu-se ao conhecimento externo. "Faltava-lhes cultura futebolística. Os jogadores não queriam emigrar, estavam muito isolados e concentrados neles próprios, pensavam que eram os melhores. Depois chegavam aos europeus e mundiais e ficavam sempre aquém do esperado. Felizmente perceberam que tinham de mudar e estão finalmente a mostrar todo o seu valor", explicou o português.

Já em 2016, quando a equipa croata se cruzou com Portugal, Paulo Machado tinha alertado para uma nova e talentosa geração de jogadores. No Euro 2016, a seleção portuguesa levou a melhor (1-0, golo de Quaresma) e Paulo Machado começou a ser bombardeado pelos então colegas de equipa, Marko Pjaca e Marko Rog. "Começaram logo a mandar mensagem a dizer que iam ganhar... fiz logo uma aposta. Ganhei claro. O Quaresma salvou-me de levar com eles a época toda, nem quero pensar nisso, assim levaram eles comigo (risos)", brincou o médio português.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.