O milagre do Zenit e as duas assistências de Podence

Clube russo tinha perdido fora, com o Dínamo MInsk, por 0-4. Venceu eu casa... por 8-1 após prolongamento. Ex-Sporting esteve em evidência na Suíça, ante o Lucerna ao fazer dois passes para golo

Muito futebol por esta Europa fora à conta da 3.ª pré-eliminatória da Liga Europa. O destaque do dia tem que ir para o Zenit que se pensava já eliminado mas, afinal depois de uma derrota por 4-0 no terrreno dos georgianos do Dínamo MInsk por 4-0, os russos conseguiram o mesmo resultado nos 90 minutos, sendo que ficou reduzido ainda a dez unidades desde os 72 minutos, numa altura em que só vencia por 2-0. No prolongamento as coisas nem começaram bem para o Zenit que viu o Dínamo reduzir para 4-1 o que obrigava os russos a fazerem mais dois golos. Fizeram mais quatro e arrumaram a questão. Destaque para os três golos de Dzyuba, o homem do jogo.

Na Suíça o Olympiacos jogava à vontade, pois tinha batido o Lucerna por 4-0 em casa. Os gregos voltaram a triunfar e Podence evidenciou-se com passes para o bis de Christodoulopoulos.

Menos sorte teve o Légia Varsóvia de Sá Pinto. O técnico português não comandou na primeira mão quando os luxemburgueses do Dudelange tinha triunfado na Polónia por 2-1. Desta feita os polacos empataram fora a dois golos, resultado insuficiente para seguirem em frente.

O Besiktas dos portugueses Pepe (90 minutos) e Ricardo Quaresma (entrou ao intervalo) perderam na Áustria diante do Lask Linz por 2-1, valendo, assim, o 1-0 da Turquia.

Finalmente Bruma que entrou aos 64 minutos na deslocação do Leipzig a Craiova. O jogo acabou 1-1 mas na primeira mão os germânicos tinham ganho por 3-1.


RESULTADOS
Pyunik-Maccabi Tel Aviv 0-0 1-2
Ufa- Progrès Niederkorn 2-1 2-2
Spartaks-FK Suduva 0-1 0-0
Alashkert FC-CFR Cluj 0-2 0-5
Hapoel Haifa- Atalanta 1-4 0-2
Leipzig-U Craiova 3-1 1-1
Hapoel Be´er Sheva-APOEL 2-2 1-3
Sturm Graz-AEK Larnaca 0-2 0-5
Sheriff Moldávia-Valur 1-0 1-2
Torpedo Kutaisi-Përparimi Kukesi 5-2 0-2
Dinamo Minsk-Zenit 4-0 1-8
ApollonLimassol-Din. Brest 4-0 0-1
Ludogorets-Zrinjski Mostar 1-0 1-1'
AS Trencin-Feyenoord 4-0 1-1
Mariupol-Bordéus 1-3 1-2
Sigma Olomouc-Kairat 2-0 2-1
Jagiellonia-Gent 0-1 1-3
CSKA Sofia-FC Copenhaga 1-2 1-2
Nordsjaelland-Partizan 1-2 2-3
Genk-Lech Poznan 2-0 1-2
Basaksehir-Burnley 0-0 0-1
Vitesse -Basileia 0-1 0-1
Besiktas-LASK Linz 1-0 1-2
Olimpija Ljubljana-HJK 3-0 4-1
Olympiacos-Lucerna 4-0 3-1
Zorya-SP. BRAGA 1-1 2-2
TNS-Midtjylland 0-2 1-3
Cork City-Rosenborg 0-2 0-3
Sarpsborg-HNK Rijeka 1-1 1-0
Hibernian-Molde 0-0 0-3
Spartak Subotica-Brondby 0-2 1-2
Glasgow Rangers-Maribor 3-1 0-0
Hajduk Split-Steaua Bucareste 0-0 1-2
Legia Varsóvia-Dudelange 1-2 2-2
Slovan Bratislava-Rapid Viena 2-1 0-4
Sevilha-FK Zalgiris 1-0 5-0

*A SUBLINHADO AS EQUIPAS APURADAS

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.