O mexicano que se fez passar por jogador da Juventus

Dionicio Farid Rodriguez Duran enganou tudo e todos no seu país, o México. Dizia-se futebolista da categoria sub-23 da Juventus, mas depois de envolver um português na confusão foi descoberto, apagou a conta de instagram e ninguém conhece o seu paradeiro

Dionicio Farid Rodriguez Duran. Este é o nome de um jovem futebolista da Juventus. Pelo menos pensava-se isso ou o próprio fez passar essa ideia. Inclusivamente, pensou-se que Dionisio já teria marcado na Youth League.

Esta é a sensacional história de um mexicano de 19 anos que enganou tudo e todos ao criar uma falsa carreira de jogador da Juventus. Começou por colocar no seu instagram fotografias suas juntamente com futebolistas da equipa primavera da Juventus, uma espécie de formação para jovens promissores. Isso deu para enganar até os jornalistas do seu país.

Numa fotografia de um treino da equipa primavera substituiu o rosto do português João Serrão pelo seu. O português formado no FC Porto e no Leixões viu-se metido, inadvertidamente, nesta confusão.

Depois Dionicio apareceu com a camisola 17 do médio Alessandro Di Pardo a celebrar um triunfo na Youth League diante do Olympiacos escreveu um post para se dizer "muito feliz pelo meu primeiro golo com esta camisola e pelo nosso desempenho".

Depois disto no México encheram-se páginas com Dionicio a relatar os seus primeiros passos na Europa. Passou a ter muitos seguidores, mais de 16 mil, e passou a ser solicitado para falar aos mais jovens de como se podem concretizar sonhos. Num desses encontros explicou que tinha rumado aos Estados Unidos e lá foi alvo de interesse do Getade, do Rayo Vallecano e da Juventus, tendo optado pela campeã italiana. Inclusivamente detalhou que Massimiliano Allegri, treinador da Juventus, estava muito satisfeito com a sua evolução.

Tudo se desmoronou quando alguns órgãos de comunicação social perceberam que Dionicio nunca tinha sido inscrito por qualquer equipa mexicana e na Juventus não havia nenhum mexicanm fosse qual fosse a categoria.

Entretanto Dionicio, se é que é este o seu verdadeiro nome, apagou a conta de instagram e o seu paradeiro é desconhecido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.