"O importante era vencer. Mais do que qualquer outro objetivo"

José Peseiro feliz por entrar na Liga com três pontos, num jogo que obrigou a reviravolta

"O mais importante era vencer. Mais do que qualquer outro objetivo", sublinhou o técnico leonino na flash-interview após o final da partida em Moreira de Cónegos, que o Sporting venceu por 3-1.

"Sabemos o que valemos e vamos fazer o nosso caminho. O futebol não é o que queremos ainda, mas vencemos e demos um passo em frente para dar mais confiança", acrescentou, reconhecendo que "foi um jogo difícil, com uma entrada em falso, mas reagimos, empatámos e foi um jogo sempre aberto".

"Na segunda parte sofremos um pouco. Não controlámos, mas na parte final lutámos, trabalhámos e tivemos eficácia para marcar dois golos. Ganhámos, era esse o nosso objetivo principal", reforçou.

Peseiro espera que este triunfo contribua para a normalização do contexto leonino. "É uma vitória de todos os sportinguistas e de todos os nossos adeptos. Hoje era preciso mostrar as garras de leão. Ter vontade, ter entrega, porque nós sabemos o que valemos. Sabemos o tempo que nos faltou de preparação. Mostrámos caráter e vontade."

"Esta é a realidade possível neste momento. Não pergunte quanto tempo vai durar. Há jogadores que estiveram cinco dias a treinar connosco. Fomos melhor em termos de eficácia. Temos que pensar dia a dia e jogo a jogo", resumiu.

"Faltou marcar mais do que o Sporting"

Já Ivo Vieira, treinador do Moreirense, disse que "é difícil explicar o que faltou à equipa para conseguir ganhar o jogo". "Arrisco-me a dizer que faltou marcar mais golos do que o Sporting", afirmou.

"A qualidade dos jogadores esteve patente. Não foi perfeito, mas acho que caminhamos para ter mais felicidade num futuro próximo, com esta forma de pensar o jogo. Mesmo contra o Sporting foi um bom teste ver a nossa capacidade", analisou, satisfeito com a exibição do Moreirense.

"Prefiro este jogo assim e ter perdido 3-1, que eu acho que foi injusto, do que defender o jogo todo e perder 1-0, e não fazer nada para ganhar. O Moreirense fez tudo para ganhar. Não ganhou porque o Sporting fez mais golos", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".