A persistência de Kipchoge valeu o recorde da maratona

"À terceira é de vez", afirmou o queniano Eliud Kipchoge, que estabeleceu nova marca mundial na maratona de Berlim, após duas tentativas anteriores falhadas

"Dizem que falhamos duas vezes, mas não à terceira tentativa", disse o campeão olímpico, momentos depois de estabelecer o recorde mundial em Berlim, com a marca de 2:01.39 horas.

Inicialmente a organização avançou com o tempo em 02:01.40, mas pouco depois a marca foi retificada para menos um segundo, o que significa que Kipchoge retirou 01.18 minutos ao anterior máximo, de Dennis Kimetto (02:02.57), também em Berlim, em 2014.

"Faltam-me as palavras para descrever este dia", disse ainda o novo recordista, que, aos 33 anos, consegue aquilo que pretendia em Berlim, capital que se assume como 'palco' predileto para os recordes.

O queniano tentou também o recorde em 2017, mas não teve então boas condições meteorológicas, devido à chuva, ao contrário de hoje, dia de temperatura amena e sem vento na capital alemã.

A outra tentativa, em 2015, falhou, mas dessa vez com um problema nas sapatilhas, apesar de o atleta ter vencido a maratona.

O maior progresso em 50 anos

"A força mental foi a chave. É difícil ir sozinho, mas estava confiante. Tinha dito que ia fazer a minha corrida, seguindo o meu plano, e tinha confiança", justificou no final o atleta.

O campeão conseguiu ainda a proeza de retirar 1.18 minutos à marca que persistia há quatro anos, a maior diferença desde o recorde de Derek Clayton em 1967, quando retirou 02.23 minutos ao máximo anterior.

Em Berlim, Kipchoge não só colocou a sua qualidade na 'estrada', como aproveitou o tempo perfeito que se fazia sentir na capital alemã, com temperaturas na ordem dos 20.º graus centígrados no momento da chegada, tempo seco e sem vento.

Atrás de Kipchoge ficaram os também quenianos Amos Kipruto (02:06.23) e Wilson Kipsang (02:06.48).

A barreira das duas horas

Kipchoge é ainda a figura principal do 'break2', a tentativa privada de baixar das duas horas na maratona, tendo terminado em 2:00.25 a experiência realizada no autódromo de Monza, em maio de 2017.

Berlim assume-se cada vez mais como o local ideal para recordes na maratona masculina, com oito dos melhores registos nas dez melhores marcas mundiais desde 1998, as sete últimas sempre na capital alemã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.