A persistência de Kipchoge valeu o recorde da maratona

"À terceira é de vez", afirmou o queniano Eliud Kipchoge, que estabeleceu nova marca mundial na maratona de Berlim, após duas tentativas anteriores falhadas

"Dizem que falhamos duas vezes, mas não à terceira tentativa", disse o campeão olímpico, momentos depois de estabelecer o recorde mundial em Berlim, com a marca de 2:01.39 horas.

Inicialmente a organização avançou com o tempo em 02:01.40, mas pouco depois a marca foi retificada para menos um segundo, o que significa que Kipchoge retirou 01.18 minutos ao anterior máximo, de Dennis Kimetto (02:02.57), também em Berlim, em 2014.

"Faltam-me as palavras para descrever este dia", disse ainda o novo recordista, que, aos 33 anos, consegue aquilo que pretendia em Berlim, capital que se assume como 'palco' predileto para os recordes.

O queniano tentou também o recorde em 2017, mas não teve então boas condições meteorológicas, devido à chuva, ao contrário de hoje, dia de temperatura amena e sem vento na capital alemã.

A outra tentativa, em 2015, falhou, mas dessa vez com um problema nas sapatilhas, apesar de o atleta ter vencido a maratona.

O maior progresso em 50 anos

"A força mental foi a chave. É difícil ir sozinho, mas estava confiante. Tinha dito que ia fazer a minha corrida, seguindo o meu plano, e tinha confiança", justificou no final o atleta.

O campeão conseguiu ainda a proeza de retirar 1.18 minutos à marca que persistia há quatro anos, a maior diferença desde o recorde de Derek Clayton em 1967, quando retirou 02.23 minutos ao máximo anterior.

Em Berlim, Kipchoge não só colocou a sua qualidade na 'estrada', como aproveitou o tempo perfeito que se fazia sentir na capital alemã, com temperaturas na ordem dos 20.º graus centígrados no momento da chegada, tempo seco e sem vento.

Atrás de Kipchoge ficaram os também quenianos Amos Kipruto (02:06.23) e Wilson Kipsang (02:06.48).

A barreira das duas horas

Kipchoge é ainda a figura principal do 'break2', a tentativa privada de baixar das duas horas na maratona, tendo terminado em 2:00.25 a experiência realizada no autódromo de Monza, em maio de 2017.

Berlim assume-se cada vez mais como o local ideal para recordes na maratona masculina, com oito dos melhores registos nas dez melhores marcas mundiais desde 1998, as sete últimas sempre na capital alemã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.