João Sousa volta a cair no ranking e Nadal continua líder

O sérvio Novak Djokovic ascendeu quatro posições e ocupa agora o sexto lugar do ranking mundial de ténis, na atualização semanal da hierarquia que continua a ser liderada pelo espanhol Rafael Nadal.

O triunfo (6-4, 6-4) deste domingo no Masters 1000 de Cincinnati, diante do suíço Roger Federer, tornou o antigo número um no único tenista a vencer os nove torneios da categoria Masters.

Ainda no top 10, registam-se a subida do sul-africano Kevin Anderson ao quinto posto e as quedas do búlgaro Grigor Dimitrov (de 5.º para 8.º) e do austríaco Dominic Thiem (de 8.º para 9.º).

O português João Sousa, único representante entre os 100 primeiros, voltou a cair no ranking, descendo seis lugares para a atual 67.ª posição.

Por sua vez, Pedro Sousa subiu nove posições, para ocupar o posto 115 do mundo, Gastão Elias caiu 12 lugares e é o 147.º, João Domingues deu um salto de 31 posições, para o 216.º, e Gonçalo Oliveira baixou 11, para 264.º.

No ranking feminino, a romena Simona Halep permanece no primeiro lugar, numa lista que primou pela estabilidade entre as dez primeiras.

Apenas se registou a ascensão da russa Petra Kvitova ao quinto posto, por troca com a francesa Caroline Garcia (6.ª), e as subidas de um lugar para Julia Goerges (9.ª) e Jelena Ostapenko (10.ª), face à queda da espanhola Garbine Muguruza para fora do top 10.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.