Neymar nomeado capitão da seleção brasileira

Tite nomeou o avançado PSG capitão da canarinha, a poucas horas do jogo particular frente aos Estados Unidos, a disputar em New Jersey.

O jogador do Paris Saint-Germain já usou a braçadeira de capitão nos Jogos Olímpicos Rio2016, tendo renunciado depois de o Brasil ter conquistado a medalha de ouro.

No Mundial2018, competição na qual o Brasil chegou aos quartos de final, a função de capitão foi desempenhada por Thiago Silva, Miranda e Marcelo.

"É uma grande honra ser nomeado capitão e vou fazer tudo para desempenhar bem a função e ajudar a seleção a vencer", afirmou Neymar, admitindo que se sentiu "pressionado" depois dos Jogos Olímpicos: "Dificilmente alguém pode perceber tudo o que passei, não só durante os Jogos, mas durante todos estes anos".

Neymar, que falou pela primeira vez da seleção desde o afastamento do Mundial, admitiu que o uso da braçadeira de capitão lhe vai fazer muito bem.

"Fui objeto de muitas críticas, não me sentia bem, o melhor era ficar quieto. A minha resposta tem de ser dada dentro de campo. Decidi aceitar ser capitão porque aprendi muitas coisas e vou aprender muito mais. Esta responsabilidade vai fazer-me muito bem", frisou.

A seleção brasileira defronta esta sexta-feira os Estados Unidos, em New Jersey, e joga na terça-feira com El Salvador, em Washington, também num encontro particular.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).