Neymar nomeado capitão da seleção brasileira

Tite nomeou o avançado PSG capitão da canarinha, a poucas horas do jogo particular frente aos Estados Unidos, a disputar em New Jersey.

O jogador do Paris Saint-Germain já usou a braçadeira de capitão nos Jogos Olímpicos Rio2016, tendo renunciado depois de o Brasil ter conquistado a medalha de ouro.

No Mundial2018, competição na qual o Brasil chegou aos quartos de final, a função de capitão foi desempenhada por Thiago Silva, Miranda e Marcelo.

"É uma grande honra ser nomeado capitão e vou fazer tudo para desempenhar bem a função e ajudar a seleção a vencer", afirmou Neymar, admitindo que se sentiu "pressionado" depois dos Jogos Olímpicos: "Dificilmente alguém pode perceber tudo o que passei, não só durante os Jogos, mas durante todos estes anos".

Neymar, que falou pela primeira vez da seleção desde o afastamento do Mundial, admitiu que o uso da braçadeira de capitão lhe vai fazer muito bem.

"Fui objeto de muitas críticas, não me sentia bem, o melhor era ficar quieto. A minha resposta tem de ser dada dentro de campo. Decidi aceitar ser capitão porque aprendi muitas coisas e vou aprender muito mais. Esta responsabilidade vai fazer-me muito bem", frisou.

A seleção brasileira defronta esta sexta-feira os Estados Unidos, em New Jersey, e joga na terça-feira com El Salvador, em Washington, também num encontro particular.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.