Neymar nomeado capitão da seleção brasileira

Tite nomeou o avançado PSG capitão da canarinha, a poucas horas do jogo particular frente aos Estados Unidos, a disputar em New Jersey.

O jogador do Paris Saint-Germain já usou a braçadeira de capitão nos Jogos Olímpicos Rio2016, tendo renunciado depois de o Brasil ter conquistado a medalha de ouro.

No Mundial2018, competição na qual o Brasil chegou aos quartos de final, a função de capitão foi desempenhada por Thiago Silva, Miranda e Marcelo.

"É uma grande honra ser nomeado capitão e vou fazer tudo para desempenhar bem a função e ajudar a seleção a vencer", afirmou Neymar, admitindo que se sentiu "pressionado" depois dos Jogos Olímpicos: "Dificilmente alguém pode perceber tudo o que passei, não só durante os Jogos, mas durante todos estes anos".

Neymar, que falou pela primeira vez da seleção desde o afastamento do Mundial, admitiu que o uso da braçadeira de capitão lhe vai fazer muito bem.

"Fui objeto de muitas críticas, não me sentia bem, o melhor era ficar quieto. A minha resposta tem de ser dada dentro de campo. Decidi aceitar ser capitão porque aprendi muitas coisas e vou aprender muito mais. Esta responsabilidade vai fazer-me muito bem", frisou.

A seleção brasileira defronta esta sexta-feira os Estados Unidos, em New Jersey, e joga na terça-feira com El Salvador, em Washington, também num encontro particular.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.