Nelson Évora representa Europa na Taça Continental de atletismo

O atleta do Sporting é o nono português a defender o velho continente nesta competição depois de Aurora Cunha, Fernanda Ribeiro, Rui Silva, Carla Sacramento, Francis Obikwelu, Naide Gomes, Sara Moreira e Jéssica Augusto

O atleta Nelson Évora foi um dos eleitos para integrar a equipa da Europa na Taça Continental de atletismo, que se disputará em Ostrava, na República Checa, nos dias 8 e 9 de setembro.

Esta competição, que se realizou pela primeira vez em 2010, coloca em competição as equipas representativas de África, América, Ásia e Oceania (juntas) e Europa, com dois atletas por prova.

É uma iniciativa que deriva da Taça do Mundo, competição que colocava em confronto as equipas dos diferentes continentes e ainda três das principais nações em cada época (Estados Unidos, como exemplo).

A equipa europeia baseia-se fundamentalmente nos atletas recentemente medalhados nos Campeonatos Europeus de Berlim (apenas o comprimento masculino e os 3.000 metros obstáculos femininos têm atletas que não venceram medalhas).

Nelson Évora é o nono português a integrar a equipa da Europa nestas competições, sucedendo a Aurora Cunha (10.000) em Camberra 1985, Fernanda Ribeiro (10.000) em Londres 1994, Rui Silva (1.500) e Carla Sacramento (1.500) em Joanesburgo 1998, Francis Obikwelu (100 e 200) em Madrid 2002, o mesmo Obikwelu (100 e 200) e Naide Gomes (comprimento) em Atenas 2006, todos na Taça do Mundo, e depois Sara Moreira (3.000), Jéssica Augusto (5.000) e a repetente Naide Gomes (comprimento) em Split 2010.

Este ano, Nelson Évora terá a companhia do espanhol Pablo Torrijos, ambos envergando a camisola azul clara e o calção vermelho do conjunto europeu, tendo pela frente o norte-americano Christian Taylor (segundo melhor do mundo este ano) e o cubano Christian Nápoles, pela equipa da América, e ainda o sul-africano Godfrey Mokoena e Hughes Zango, do Burundi, pela equipa de África. A equipa da Ásia e Oceania só será divulgada após os Jogos Asiáticos, que estão a decorrer em Jacarta.

Nelson Évora é um dos atletas mais experientes e com melhor palmarés na equipa masculina europeia, que integra o jovem (17 anos) júnior Jakob Ingebrigtsen (campeão europeu de 1.500 e 5.000 metros), que correrá os 1.500 metros.

A equipa europeia tem outros nomes fortes como Pascal Martinot Lagarde e Sergey Shubenkov (110 barreiras), Renaud Lavillenie (vara), Michal Haratyk (peso), Thomas Roller (dardo), em masculinos, Dina Asher-Smith (100) e Dafne Schipers (100 e 200), Sifan Hassan (3.000), Katerina Stefanidi (vara), Marya Lasitskene (altura) e Sandra Perkovi (disco), em femininos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?