Nélson Évora de ouro. Aplausos, recados e críticas à chegada a Lisboa

Amo aquilo que faço, o atletismo foi uma paixão a primeira vista e entre a capacidade de me adaptar às coisas novas e sendo um artista, tenho de ter a capacidade de me reinventar. Não faço nada para calar a crítica", disse o campeão europeu à chegada a Lisboa.

Nélson Évora chegou esta segunda-feira a Portugal, depois de se ter sagrado campeão Europeu do triplo salto, no domingo, em Berlim, o atleta foi recebido em apoteose, no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, por centenas de pessoas. Depois dos aplausos as palavras. Muitas de agradecimento e apoio, por entre alguns recados e também algumas críticas.

"Desde que mudei a minha vida, entrei em quatro grandes competições e ganhei medalhas. Cada título tem um sabor especial, cada prova tem a sua história. Há muitas coisas por detrás das medalhas e quando as conquistamos parece que conquistamos algo novo. . Amo aquilo que faço desde os 7 anos, quando descobri o atletismo. Foi paixão à primeira vista. É ali que me sinto bem e o segredo de me reinventar é a capacidade de me adaptar às coisas novas. Sou um artista e tenho de ter a capacidade de me reinventar. Não faço nada para calar a crítica. Faço por mim e pelos portugueses", desabafou o atleta do Sporting, sem abordar o polémico assunto da naturalização do cubano Pichardo, que já mereceu resposta do presidente da Federação via DN.

"Tenho 34 anos e depois de tantos contratempos e muitas lesões, acho que tudo depende da nossa cabeça e da ambição que temos para atingir os objetivos. Senti neste Europeu que tinha tudo para conquistar uma medalha. Os meus familiares e amigos sempre me passaram a mensagem que o importante era entrar na pista para me divertir, e só nos últimos anos é que aprendi o valor dessa mensagem. Por isso entrei, interagi com o público e aí se deu o clique", disse Nélson Évora garantindo que a idade não pesa: "Estou aí para as curvas."

O atleta do triplo salto já tinha conquistado o ouro Olímpico (Pequim 2008) e o ouro Mundial (2007) mas faltava-lhe o ouro europeu. Algo que conquistou no domingo aos 34 anos:"Estou muito feliz, por finalmente ter conquistado este título. Depois de tantos contratempos e muitas lesões, acho que tudo depende da nossa cabeça e da ambição que temos para atingir os objetivos. A realidade é que foi difícil, mas o objetivo foi conseguido."

O atleta do Sporting aponta agora aos Jogos Olímpicos 2020. "A cabeça sempre esteve em Tóquio, o meu objetivo é chegar o mais forte possível e trazer uma medalha, nunca fui para uma grande competição sem pensar em medalhas, mas ainda falta muito, faltam muitos treinos e também sem dúvida coisas menos boas, mas faz parte, há que saber gerir bem e chegar o mais saudável possível aos Jogos Olímpicos", disse o campeão europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?