"Não sei se algum clube passou por uma experiência destas"

José Peseiro lembra pré-época atípica mas diz que frente ao Moreirense só os três pontos interessam

O plantel do Sporting ainda está em formação, a preparação da temporada tem sido atribulada, mas o treinador leonino não quer que isso seja motivo de menor exigência. No arranque da caminhada na Liga, domingo, na visita ao Moreirense, José Peseiro promete uma equipa "consciente do que é necessário para começar bem o campeonato". O importante, sublinha, "é conquistar os três pontos". O bom futebol pode aguardar mais um pouco.

"Mais importante do que jogar muito bem, rematar 30 ou 40 vezes, ter muitos cantos, é vencer, conquistar os três pontos. São importantes para o Sporting. É importante estarmos unidos neste processo", frisou o técnico, na conferência de imprensa de antevisão ao jogo de Moreira de Cónegos.

Até ser oficializado não vou falar sobre ele [Sturaro]

Por isso, também os acertos de mercado ficam por agora em segundo plano. O médio italiano Sturaro, da Juventus, está em Lisboa e pode reforçar o plantel leonino. Mas Peseiro quer o foco todo no Moreirense. "Até ser oficializado, não vou falar sobre ele. Há vários outros jogadores no ponto de mira do Sporting. Não tem sentido em falar deles. Isso é o menos importante hoje e amanhã. Temos ideias, já falámos, mas não vale a pena gastar tempo com isso. Sabemos do contexto específico desta pré-época. Não sei se algum clube passou por uma experiência destas", disse.

E, alongando-se um pouco mais sobre a atuação da equipa no mercado, explicou: "Realcei várias vezes que a primeira situação foi fazer regressar os jogadores que estavam em processo de rescisão. Para isso era necessário não preencher essas posições. Depois desse trabalho feito, e muito bem feito, foi necessário repor essas posições em que não conseguimos fazer regressar jogadores. Havia algumas questões e riscos nessa abordagem. Precisamos de jogadores que venham acrescentar valor e para isso estamos a lutar com outros clubes, outras ligas."

O mais importante agora é estabilidade e confiança. Podemos vencer amanhã

Perante o cenário, é natural pensar que o Sporting parte atrás dos rivais na luta pelo título? José Peseiro desvaloriza: "O mais importante agora é estabilidade e confiança. E saber que podemos vencer amanhã". De resto, o técnico admite que os leões estão "muito melhor" do que quando assinou, porque "já fez regressar jogadores importantes", como Bruno Fernandes, Bas Dost, Battaglia e o reforço Nani.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.