Não, o cartoon sobre Serena Williams não é racista, diz entidade reguladora

Australian Press Council decidiu que a imagem satírica não violou os padrões da imprensa do país, ao ilustrar a "birra no court" na final do US Open de 2018 "usando sátira, caricatura, exagero e humor".

O cartoon de um jornal australiano que tanta polémica causou, ao retratar a tenista Serena Williams como uma menina birrenta, aos pulos com a raquete partida e uma chupeta no chão que ela tinha cuspido, não é racista, segundo o Australian Press Council.

Segundo a decisão da entidade reguladora do país para a comunicação social, a imagem satírica não violou os padrões da imprensa australiana, ao ilustrar a "birra no court" na final do US Open de 2018 "usando sátira, caricatura, exagero e humor".

A publicação do cartoon aconteceu logo após a final mal-humorada de Serena, na qual Williams acusou o juiz da partida, Carlos Ramos, de ter um tratamento alegadamente machista. A entidade reguladora recebeu várias queixas sobre a imagem, que provocou críticas por todo o mundo. A Associação Nacional de Jornalistas Negros, dos EUA, afirmou então que o cartoon era "repugnante em muitos aspetos".

O conselho disse que o jornal "descreveu o momento em que, numa birra bastante animada, Williams esmagou uma raquete e acusou fortemente o árbitro, chamando-o de ladrão, mentiroso e ameaçando que nunca mais voltaria a disputar jogos" arbitrados por Carlos Ramos.

O jornal The Herald Sun, que publicou o cartoon, disse então "que queria capturar a birra de Williams usando sátira, caricatura, exagero e humor, e o desenho pretendia mostrar o seu comportamento como infantil, mostrando-a cuspindo uma chupeta enquanto ela saltava acima e abaixo".

Apesar da adversária de Williams, a japonesa Naomi Osaka, que tem origens nipónicas e haitianas, ser retratada como uma mulher loira e magra - a quem o árbitro pede: "Não pode simplesmente deixá-la vencer?" - o Australian Press Council notou que, na altura, "concretamente, expressou-se a preocupação de que a caricatura mostrasse a sra. Williams com grandes lábios, um largo nariz achatado, um penteado de rabo-de-cavalo estilo afro diferente daquele usado pela sra. Williams durante a partida e posicionada numa pose de macaco".

"Também foi notado que o cartoon devia ser considerado no contexto da história das caricaturas baseadas em representações racistas e históricas dos afro-americanos."

Na altura, o editor do Herald Sun, DamonJohnston, afirmou que o desenho "não tinha nada a ver com género ou raça", que se tratava apenas "uma tenista campeã que teve uma megabirra num palco mundial, e (o) desenho animado retratou isso". A entidade reguladora acabou por lhe dar razão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.