Nani: "Sempre bom voltar a casa"

Jogador assinou contrato com os leões até 2020, a custo zero e sem cláusula de rescisão fixada.

Nani está de regresso ao Sporting: "É sempre bom voltar a casa, uma casa que bem conheço e onde me sinto muito bem. Estou muito feliz, digam o que disserem. Estou de corpo e alma aqui."

Nani volta ao Sporting a título definitivo e assina por duas temporadas e numa altura conturbada do clube. "Sabemos que o Sporting passou por uma fase complicada, mas estamos aqui para dar a volta, para que a situação melhore a cada dia. É isso que vou fazer, para que no final possamos ser felizes, com a consciência que trabalhámos bem e fizemos uma boa época", garantiu o extremo de 31 anos, rematando: "Ataque à Academia é passado. Estamos aqui para falar de coisas positivas e no futuro. É isso o mais importante."

O objetivo é claro: "Título? Temos, em primeiro lugar, de construir um grupo forte, focado nos nossos objetivos. Se tivermos um grupo coeso tudo é possível. O mais importante é estarmos bem entre nós, com o clube, como equipa."

E trabalhar com José Peseiro é um bónus. "É sempre bom voltar a trabalhar com um treinador que faz parte da história. Foi Peseiro que me lançou na I Liga e estou muito satisfeito e orgulhoso de poder voltar a ser treinado por ele", disse Nani, recusando a ideia de não ter opções de escolha: "Tive muitas propostas, algumas aliciantes, mas preferi o Sporting por uma questão de orgulho. Estou muito feliz. Falem, comentem, mas o que conta é aquilo que sinto"

Falhou o Mundial 2018, depois de ter sido fundamental na conquista do Euro 2016, mas continua "à disposição do selecionador para representar a Seleção". E voltar a Alvalade não é uma forma de encurtar caminho: "A minha vinda foi algo pessoal. Senti que era importante voltar a casa, sentir-me acarinhado pelas pessoas. Essas pessoas merecem, por tudo o que fiz e por tudo o que vou fazer. Estou de corpo e alma para ajudar o Sporting a conquistar os objetivos."

Sousa Cintra encantado

Na hora de apresentar o internacional português, o presidente da Comissão de Gestão recordou o passado do jogador de leão ao peito. "É das pérolas que o Sporting se orgulha de ter. Passaram grandes jogadores por esta casa... O Nani é da mesma onda do Ronaldo, de gente importante, que vive de alma e coração o Sporting. É um jogador que dispensa apresentações. Jogou nos maiores clubes da Europa e sempre demonstrou a sua valentia, classe e categoria. É um exemplo forte que os sportinguistas se orgulham. Os grandes jogadores que foram criados aqui transmitem uma boa imagem", elogiou Sousa Cintra na apresentação do jogador esta quarta-feira, no Auditório Artur Agostinho.

Depois lembrou a estreia pela mão do atual treinador leonino:"O Nani foi criado aqui, mas foi lançado aqui na Liga pelo José Peseiro. Foi o nosso treinador que o lançou. É coisa do destino... E agora é o novo treinador que o vai pôr a lutar pelos nossos objetivos de ser campeões, de ter uma equipa coesa, forte, com força e garra, responsável e interessada em fazer o melhor. O Nani é uma referência muito importante do Sporting, com qualidades e amor pelo clube."

"O que interessa é contratar gente importante e que traga mais-valias, que dê qualidade e lute pelos objetivos. É um dia feliz para mim e para o Nani. Gosto das pessoas que se dedicam ao clube. Vi o seu entusiasmo quando falei com ele, uma alegria contagiante. Fiquei encantado, pensei para mim 'aqui está um jogador que o Sporting precisa'. Desejo-lhe a melhor sorte, que tudo lhe corra bem", disse Sousa Cintra sem querer abordar o caso dos jogadores que rescindiram contrato com os leões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.