Nani: "Sempre bom voltar a casa"

Jogador assinou contrato com os leões até 2020, a custo zero e sem cláusula de rescisão fixada.

Nani está de regresso ao Sporting: "É sempre bom voltar a casa, uma casa que bem conheço e onde me sinto muito bem. Estou muito feliz, digam o que disserem. Estou de corpo e alma aqui."

Nani volta ao Sporting a título definitivo e assina por duas temporadas e numa altura conturbada do clube. "Sabemos que o Sporting passou por uma fase complicada, mas estamos aqui para dar a volta, para que a situação melhore a cada dia. É isso que vou fazer, para que no final possamos ser felizes, com a consciência que trabalhámos bem e fizemos uma boa época", garantiu o extremo de 31 anos, rematando: "Ataque à Academia é passado. Estamos aqui para falar de coisas positivas e no futuro. É isso o mais importante."

O objetivo é claro: "Título? Temos, em primeiro lugar, de construir um grupo forte, focado nos nossos objetivos. Se tivermos um grupo coeso tudo é possível. O mais importante é estarmos bem entre nós, com o clube, como equipa."

E trabalhar com José Peseiro é um bónus. "É sempre bom voltar a trabalhar com um treinador que faz parte da história. Foi Peseiro que me lançou na I Liga e estou muito satisfeito e orgulhoso de poder voltar a ser treinado por ele", disse Nani, recusando a ideia de não ter opções de escolha: "Tive muitas propostas, algumas aliciantes, mas preferi o Sporting por uma questão de orgulho. Estou muito feliz. Falem, comentem, mas o que conta é aquilo que sinto"

Falhou o Mundial 2018, depois de ter sido fundamental na conquista do Euro 2016, mas continua "à disposição do selecionador para representar a Seleção". E voltar a Alvalade não é uma forma de encurtar caminho: "A minha vinda foi algo pessoal. Senti que era importante voltar a casa, sentir-me acarinhado pelas pessoas. Essas pessoas merecem, por tudo o que fiz e por tudo o que vou fazer. Estou de corpo e alma para ajudar o Sporting a conquistar os objetivos."

Sousa Cintra encantado

Na hora de apresentar o internacional português, o presidente da Comissão de Gestão recordou o passado do jogador de leão ao peito. "É das pérolas que o Sporting se orgulha de ter. Passaram grandes jogadores por esta casa... O Nani é da mesma onda do Ronaldo, de gente importante, que vive de alma e coração o Sporting. É um jogador que dispensa apresentações. Jogou nos maiores clubes da Europa e sempre demonstrou a sua valentia, classe e categoria. É um exemplo forte que os sportinguistas se orgulham. Os grandes jogadores que foram criados aqui transmitem uma boa imagem", elogiou Sousa Cintra na apresentação do jogador esta quarta-feira, no Auditório Artur Agostinho.

Depois lembrou a estreia pela mão do atual treinador leonino:"O Nani foi criado aqui, mas foi lançado aqui na Liga pelo José Peseiro. Foi o nosso treinador que o lançou. É coisa do destino... E agora é o novo treinador que o vai pôr a lutar pelos nossos objetivos de ser campeões, de ter uma equipa coesa, forte, com força e garra, responsável e interessada em fazer o melhor. O Nani é uma referência muito importante do Sporting, com qualidades e amor pelo clube."

"O que interessa é contratar gente importante e que traga mais-valias, que dê qualidade e lute pelos objetivos. É um dia feliz para mim e para o Nani. Gosto das pessoas que se dedicam ao clube. Vi o seu entusiasmo quando falei com ele, uma alegria contagiante. Fiquei encantado, pensei para mim 'aqui está um jogador que o Sporting precisa'. Desejo-lhe a melhor sorte, que tudo lhe corra bem", disse Sousa Cintra sem querer abordar o caso dos jogadores que rescindiram contrato com os leões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.