Nani. Do bairro de má fama na Amadora até Alvalade

Extremo já tinha regressado a Alvalade em 2015, por empréstimo do Manchester United. Agora assinou por duas épocas e sem cláusula de rescisão

Aos 31 anos, Nani regressa a Alvalade: "É sempre bom voltar a casa, uma casa que bem conheço e onde me sinto muito bem. Estou muito feliz, digam o que disserem. Estou de corpo e alma aqui."

O jogador que subiu a pulso, chegou ao topo e agora procura um novo recomeço no clube que o lançou na ribalta, assinou contrato por duas épocas (até 2020). "Tinha outras opções, preferi o Sporting por uma questão de orgulho. Estou muito feliz. Falem, comentem, mas o que conta é aquilo que sinto", garantiu o campeão da Europa, que assinou a custo zero e sem cláusula de opção.

E para que não haja dúvidas, Alvalade é um sítio para Nani ser feliz e não uma escala para outro lado qualquer: "A minha vinda foi algo pessoal. Senti que era importante voltar a casa, sentir-me acarinhado pelas pessoas. Essas pessoas merecem, por tudo o que fiz e por tudo o que vou fazer. Estou de corpo e alma para ajudar o Sporting a conquistar os objetivos."

Nani por culpa da irmã

Nasceu Luís da Cunha em Cabo Verde, mas o mundo do futebol conhece-o por Nani. Culpa da irmã que tomava conta dele e que carinhosamente o chamava de Nani. Cresceu num bairro de má fama na Amadora, criado por uma tia e longe dos pais. Se a infância não foi um mar de rosas, a adolescência muito menos, mas agarrou-se ao futebol e foi com a bola nos pés que mudou de vida.

Chegou a ir treinar ao Sporting, ainda nos iniciados, mas não ficou e começou a jogar à bola no Real SC, em Massamá. O talento estava lá e já nos juvenis obrigou os leões a abrir os cordões à bolsa para o levarem. "Era um miúdo muito franzino. A determinada altura foi treinar ao Sporting, mas por causa dos transportes e de uma vida familiar atribulada acabou por não ficar. Depois, aos 17 anos, foi fazer um jogo à Academia pelo Real e mal o vi fiquei convencido de que tinha tudo para vir a ser um grande jogador", contou em tempos Aurélio Pereira ao DN.

Em Alvalade o rapaz tímido fez logo amizade com Yannick Djaló e Miguel Veloso, dois amigos para a vida. Foi na companhia deles que subiu à equipa principal com José Peseiro. Estreou-se em 2005 e, dois anos depois seguiu o caminho de Ronaldo e mudou-se para Manchester. Rendeu 25 milhões de euros aos cofres leoninos, ainda hoje uma das maiores vendas de sempre do clube de Alvalade.

Em Old Trafford o sucesso foi imediato. Ao lado de Ronaldo, venceu tudo, incluindo a Liga dos Campeões e a Premier League. Mas o peso da herança de CR7 acabou por afundar Nani, que nunca se conseguiu impor por completo depois do compatriota rumar ao Real Madrid. Os problemas físicos começaram a atormentá-lo e foi de empréstimo em empréstimo. Um deles ao Sporting (2015/16).

Depois mudou-se para Valência e o filme foi o mesmo. Agora voltou a casa para voltar a ser feliz desportivamente.

Campeão Europeu

Nani renasceu em pleno campeonato da Europa, em 2016. Quando muitos questionavam a sua chamada à seleção, o extremo respondeu em campo. Foi uma figura importante no torneio (fez três golos) que Portugal venceu e voltou a Valência para ser emprestado. Mudou de campeonato e foi jogar na Lazio, mas nem sempre foi titular e falhou o Mundial 2018.

Para a história ficam os 112 jogos com a camisola nacional. Nani é já o quarto jogador com mais jogos por Portugal, depois de CR7, Figo e João Moutinho.

Quando jogava no Real.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.