Depois do 10-0 na Luz, Nacional queixa-se de "insulto gratuito e achincalhamento"

Clube madeirense emitiu nesta terça-feira um comunicado, na sequência da goleada por 0-10 sofrida no domingo no Estádio da Luz, ante o Benfica.

O Nacional da Madeira emitiu nesta terça-feira um comunicado, através das suas plataformas digitais, informando que vai avançar com "queixas-crime contra todos aqueles que puseram em causa a honra e o bom-nome desta SAD e dos seus profissionais e ainda contra os órgãos de comunicação social que permitiram que se veiculasse esse tipo de afirmações".

O emblema insular queixa-se de ter sido alvo de "insulto gratuito, achincalhamento e ofensa à dignidade, à honra e ao profissionalismo" de todos os que trabalham em prol do clube.

Leia o comunicado na íntegra:

"Analisando as declarações proferidas em vários programas televisivos e artigos de opinião em diversos jornais a propósito do jogo da jornada 21 da Liga NOS, Benfica-CD Nacional, disputado no passado domingo, o CD Nacional, Futebol SAD vem pelo presente informar o seguinte:

1 - O mau resultado num jogo de futebol não pode servir de desculpa para o insulto gratuito, o achincalhamento e a ofensa à dignidade, à honra e ao profissionalismo de todos aqueles que dia após dia dão o seu melhor em prol de uma instituição.

2 - Assim, foram já dadas indicações ao departamento jurídico desta SAD no sentido de serem apresentadas queixas-crime contra todos aqueles que puseram em causa a honra e o bom-nome desta SAD e dos seus profissionais e ainda contra os órgãos de comunicação social que permitiram que se veiculasse esse tipo de afirmações.

3 - Em paralelo, irão também avançar processos cíveis, no sentido de exigir reparação aos danos materiais e morais causados a esta SAD e aos seus profissionais.

4 - Igual procedimento será tomado em todas as declarações e posições que venham de alguma forma lesar a honra e o bom-nome dos profissionais desta instituição."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.