Nacional destaca cores da Juventus para desejar boa sorte a Ronaldo

O Nacional desejou esta quarta-feira sorte a Cristiano Ronaldo, numa mensagem nas redes sociais, em que sublinha as semelhanças dos equipamentos do clube madeirense e da Juventus

"Há cores que nos marcam para a vida. Boa sorte nesta tua nova etapa Cristiano", lê-se nas redes sociais do Nacional, numa publicação ilustrada com uma fotografia de Cristiano Ronaldo com o equipamento preto e branco do clube do Funchal, um dia depois de ser oficializada a sua transferência do Real Madrid para Juventus por 100 milhões de euros.

Cristiano Ronaldo jogou nas equipas de infantis do Nacional, entre 1995 e 1997, depois de ter dados os primeiros toques no Andorinha.

O Nacional, clube em que Cristiano Ronaldo estava quando cumpriu o 12.º aniversário, terá direito a 250 mil euros no âmbityo desta transferência, ao abrigo do mecanismo de solidariedade da FIFA, que beneficia os clubes pelos quais o jogador passou entre os 12 e os 23 anos.

Aos 33 anos, o capitão da seleção portuguesa vai defender o quarto clube na carreira sénior, depois de Sporting (2002/03), Manchester United (2003/04 a 2008/09) e Real Madrid (2009/10 a 2017/18).

Cinco vezes vencedor da Bola de Ouro, em 2008, 2013, 2014, 2016 e 2017, Cristiano Ronaldo estava ligado contratualmente até 30 de junho de 2021 ao emblema merengue, ao serviço do qual conquistou quatro Ligas dos Campeões, dois Mundiais de Clubes, duas Supertaças Europeias, dois campeonatos, duas Taças do Rei e duas Supertaças de Espanha.

A Juventus domina o historial do campeonato italiano, com 34 títulos de campeão, sete dos quais conquistados ininterruptamente desde 2011/12 -- os quatro últimos sob o comando do atual treinador, Massimiliano Allegri.

Ronaldo vai ser o sétimo português a juntar-se ao clube de Turim, depois de Rui Barros, Paulo Sousa, Dimas, Jorge Andrade, Tiago e João Cancelo, contratado neste defeso ao Valência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...